Grande Guerra -IV- Divisão de Instrução, manobras de 1916 – 3ª parte

As comunicações na Divisão de Instrução, nas manobras de 1916 

Aniceto Afonso
Jorge Costa Dias

 

4. Breve História das Transmissões no Exército Português até 1916

A primeira unidade militar de Transmissões em Portugal foi o Corpo Telegráfico, criado em 1810, pioneiro das telecomunicações militares e civis em Portugal.

regulamento de 1810 corpo telegráfico 80X80

Introduziu no país dois sistemas que revolucionaram as telecomunicações da época no país.Em primeiro lugar, a telegrafia ótica, a qual funcionou com base no telégrafo de ponteiro

Imagem3

e no telégrafo de postigos

Imagem2 (1)

inventados por Francisco Ciera, que estiveram presentes na defesa das Linhas de Torres, e cuja utilização se prolongou até 1855 na rede nacional, altura em que foi substituída pela telegrafia elétrica.

Em segundo lugar, a telegrafia elétrica, que foi operada pelo Corpo Telegráfico de 1855 a 1864, e posta ao serviço do público nacional e internacional. Começou por utilizar telégrafos Breguet

telegrafo_breguet

Breguet-Telegraph-Transmitt

que foram depois substituídos por mesas de telégrafo Morse.

33-Telég Morse campanha
Em 1864 o Corpo Telegráfico foi extinto. O seu pessoal foi integrado numa organização civil do Ministério das Obras Públicas, a Direção Geral dos Telégrafos e Faróis.
A estratégia para a reintrodução das Transmissões no Exército deveu-se a Fontes Pereira de Melo e traduziu-se na inauguração, em 17 de setembro de 1873, da 1ª rede telegráfica militar com 13 estações, e em 1884, com a criação da Companhia de Telegrafistas do Regimento de Engenharia.

Imagem7
Em 1901, por decreto de 7 de Dezembro, foi criada a Companhia de Telegrafistas de Praça.
Só com a reorganização do Exército de 1911 é que veio a ser criado, em 1913, o Batalhão de Telegrafistas de Campanha com uma Companhia de Telegrafistas por Fio (TPF) e uma Companhia de Telegrafistas sem Fio (TSF).
Voltando ao século XIX, devemos acrescentar que se assistiu à expansão da rede telefónica, que no início usou o telefone de mesa de Bramão concebido em 1879 por Cristiano Augusto Bramão (oficial do Corpo Telegráfico)

Imagem1

e que é considerado uma referência a nível internacional, porquanto é o primeiro aparelho do mundo que apresenta, reunidos numa única peça, o auscultador e o microfone.
As redes de comunicações conheceram uma crescente expansão entre os finais do século XIX e início do século XX, como mostram os mapas das redes existentes nesta época:
Rede de pombais, que se manteve até à década de 30 do século XX;

Imagem4
Rede de heliógrafos, que ainda fazia serviço em 1933.

Imagem6
A rede telegráfica, que conheceu uma enorme expansão em todo o território nacional, era o principal meio de comunicação quando a Divisão de Instrução se concentrou em Tancos.

Imagem8
Em relação à telegrafia sem fios (TSF), o Exército realizou em 1901 as primeiras experiências de rádio com material encomendado ao fabricante francês Ducretet, que era constituído por um emissor e por um recetor Ducretet.

Imagem9

Imagem10
Em 1909 foram adquiridas 4 estações de telegrafia elétrica Telefunken, sendo duas fixas e duas de campanha hipomóveis (MT1 e MT2).

Imagem11
De 1915 a 1917 foram adquiridas 11 estações Marconi – 5 a dorso, 3 hipomóveis e 3 automóveis.

Imagem12
Em Abril de 1916 havia no Batalhão de Telegrafistas de Campanha quatro estações de TSF, pois algumas das adquiridas tinham sido mobilizadas com as expedições para Angola e Moçambique.
Eram elas:
Em serviço combinado com a Divisão Naval havia uma estação Telefunken (MT1) em S. Julião da Barra e outra (MT2) em Cascais.
Para mobilizar com a Divisão a constituir, existiam duas estações Marconi (uma MM1 e uma outra MM2), ambas no Batalhão de Telegrafistas de Campanha.

Anúncios

Grande Guerra -IV- Divisão de Instrução, manobras de 1916 – 2ª parte

As comunicações na Divisão de Instrução, nas manobras de 1916 

Aniceto Afonso
Jorge Costa Dias

3. Os exercícios da Divisão de Instrução

Passemos então aos exercícios da Divisão de Instrução.
Quando se tornou evidente que Portugal iria enviar uma força para o teatro europeu, o governo decidiu mobilizar e instruir uma Divisão, como forma de preparação para esse fim.
A opção por Tancos foi assumida em Fevereiro de 1916, e os planos de mobilização iniciaram-se desde logo.

Diapositivo1
Objetivo das manobras
Numas manobras militares deste tipo, com permanência de quase quatro meses no campo, procurava-se testar e treinar algumas capacidades do exército e das suas unidades e serviços, nos seguintes aspetos:
– Capacidade de mobilização, concentração e instalação de comandos e unidades;
– Elaboração de planos de ação pelos estados-maiores dos diferentes níveis;
– Capacidade de execução de exercícios táticos, desde simples manobras de pequenas unidades (Companhia) até operações mais complexas de grandes agrupamentos mistos e da própria Divisão de Instrução;
– Capacidade de instalação e de atuação de infraestruturas logísticas e técnicas de apoio às manobras, como transportes, reabastecimentos, comunicações, organização do terreno, alimentação, saúde, etc.
– Treino de conduta de operações, tanto através de exercícios planeados como em situações inopinadas;
– Verificação das capacidades de resistência do pessoal, bem assim como do seu conhecimento, da disciplina e do moral;
– Verificação da adequação dos materiais e equipamentos, tanto individuais como coletivos.
Temos hoje uma visão geral dos resultados, através dos relatórios elaborados pelas unidades e órgãos participantes. E se em alguns aspetos, as manobras são apreciadas positivamente, existe alguma unanimidade em relação à necessidade de melhorar procedimentos, substituir materiais e munições, continuar a instrução militar e fortalecer a educação cívica.

Diapositivo2

 

Cronologia dos exercícios
Vejamos a cronologia dos exercícios e a forma como eles foram implementados.
A incorporação do contingente começou em Janeiro, com o início da recruta de 1916 nas unidades de instrução, onde fizeram, até Abril, a recruta e o treino tático ao nível Secção e Pelotão.
As unidades para manobras foram constituídas nas unidades das divisões territoriais de Viseu, Coimbra, Vila Real e Tomar. A concentração e instalação fez-se entre Abril e Maio e as manobras ocorreram entre Maio e os primeiros dias de Agosto.
Os exercícios iniciaram-se com manobras de Companhia e foram-se tornando mais abrangentes e complexos, até ao exercício final de toda a Divisão.
É preciso notar que nestas manobras só tomaram parte quatro Regimentos de Infantaria dos seis que constituíam a Divisão de Instrução, pelo que no período de 4 de outubro a 24 de novembro de 1916, também em Tancos, foi ministrada a instrução aos dois Regimentos restantes integrados numa brigada (a 3ª BI). Nesta apresentação não serão abrangidas estas manobras complementares.
Foram levados a efeito, então, os seguintes exercícios:
 Exercícios de Companhia -Entre 26 de Maio e 10 de Junho

Diapositivo3

Estes execícios constaram de:

-Proteção em estação
-Combate de postos avançados
-Manobra de retirada
-Marcha para o inimigo
-Combate defensivo
-Marcha de aproximação
-Combate ofensivo
-Trabalhos de fortificação
-Fogos de guerra

14 programa de instrução de companhia

 

 Exercícios de Batalhão – De 11 a 25 de Junho

Diapositivo4

Estes execícios constaram de:

-Proteção em marcha para o inimigo
-Proteção em marcha de flanco
-Proteção em marcha de retirada
-Preliminares do combate
-Ocupação de posição
-Rotura de combate
-Aproximação em combate ofensivo
-Marcha para concentração

15 programa de instrução de batalhão
Exercícios de Regimento – De 26 a 30 de Junho

Diapositivo5

Estes execícios constaram de:

-Combate ofensivo Barquinha e Rodeio
-Combate defensivo Laranjeiras e Grou
-Ação dupla Ofensiva Barquinha
-Ação dupla defensiva Barquinha

16 programa de instrução de regimenti
Exercícios de Agrupamentos Encorporados –De 3 e 11 de Julho

Diapositivo6

Estes execícios constaram de:

-Forças P.A. e P.V. (Partido Azul E Partido Vermelho)
-Ofensiva e defensiva – Barquinha
-Ofensiva e defensiva – Grou
-Fogos de Guerra
-Organização defensiva

17 programa de instrução de agrupamentos incorporados

Exercícios de Pequenos Destacamentos Mixtos – de 13 e 14 de Julho

Estes execícios constaram de ações entre as forças P.A. e P.V. (Partido Azul e Partido Vermelho)

-Exercício Nº 1 – Ação Simples Defensiva– Figueiras-Laranjeiras
-Exercício Nº 2 – Ação dupla ofensiva e defensiva – Margem direita do Zêzere e Constância
-Exercício Nº 3 – Ação simples ofensiva – Montalvo

19 programa de instrução de destacamentos mixtos
Exercícios de Grandes destacamentos Mistos –De  17 a  20 e de 24 e 25 de Julho

1º  Destacamento

Diapositivo8

Exercícios realizados pelas unidades da  1ª BI em formações de apoio.

TEMA: Estacionamento em SANTA CITA, ataque à posição do Grou, defesa da Barquinha

2º Destacamento

Exercícios realizados pelas unidades da  2ª BI e do Grupo de Artilharia em formações de apoio.

TEMA: Ocupação da Barquinha, defesa da posição do Grou, ataque à posição da Barquinha

Parada de Montalvo -Em 22 de Julho

 Exercícios da Divisão de Instrução – De 26 de Julho a 1 de Agosto

1º Brigada (Azul) – Marcha: Abrantes-Casa Branca-Tolosa
2ª Brigada (Vermelha) – Marcha: Montalvo-Pego-Casa Branca-Gavião
Reconhecimentos
Combate entre a quinta da Marguila e Vale Grande

20 exercicio de divisão Tema

 Desconcentração e regresso das unidades aos seus quartéis -Entre 2 e 6 de Agosto

Mapa da força

Vejamos finalmente o mapa da força que esteve presente nos exercícios, com um total de quase 20.000 homens, mais de 5.000 solípedes e mais de 1.200 viaturas.

3-Mapa da Força da Div Inst. em Tancos 001
Podemos destacar o peso das unidades de apoio e dos serviços, com cerca de 1/4 dos efetivos, assim como a participação de um significativo número de viaturas automóveis (incluindo camiões) e as poucas bicicletas e motocicletas ainda disponíveis.
Deixamos para o final a apresentação de umas breves conclusões.

 

Grande Guerra -IV- Divisão de Instrução, manobras de 1916 – Iª parte


As comunicações na Divisão de Instrução, nas manobras de 1916 

Aniceto Afonso
Jorge Costa Dias

 

I- As comunicações no exército britânico na Frente Ocidental, onde as tropas portuguesas seriam integradas
1. Introdução
A nossa comunicação vai abordar os seguintes aspetos:
– As comunicações no exército britânico na Frente Ocidental, onde as tropas portuguesas seriam integradas.
– Ideia geral dos exercícios efetuados pela Divisão de Instrução
– Breve história das transmissões no Exército Português
– As comunicações na Divisão de Instrução
– Balanço dos exercícios militares efetuados pela Divisão de Instrução, há cem anos.
Em primeiro lugar gostávamos de vos dizer que vamos apresentar um estudo incompleto, pois estamos a meio de uma investigação sobre “As Transmissões na Grande Guerra”. Selecionámos para este encontro, como nos foi pedido, a apresentação de um ponto de situação sobre a Divisão de Instrução e as suas unidades de telegrafistas, que aqui estiveram em 1916, em manobras.
Hoje passam 98 anos sobre a Batalha de La Lys, travada no dia 9 de Abril de 1918. Associamo-nos à homenagem que aqui está a ser prestada a todos os portugueses, nossos avós, que nela participaram.
Também passam 100 anos sobre a mobilização, concentração e instrução de uma Divisão militar (chamada Divisão de Instrução, com cerca de 20.000 homens) que aqui, bem próximo, se empenhou em exercícios militares, com vista à sua preparação para participar na guerra europeia, ao lado das tropas da Grã-Bretanha.
As razões que levaram Portugal a entrar na guerra têm sido muito discutidas, mas o que nos interessa hoje é dar-vos uma ideia sobre a forma como se comunicava no campo de batalha de então, tanto do ponto de vista territorial (comunicações para fora da zona de operações), como do ponto de vista tático, ou seja, no interior dessa zona.
De qualquer forma interessa acentuar que se tratava de preparar os militares para irem integrar unidades inglesas na frente europeia. Por isso, julgamos que, em primeiro lugar, vale a pena lançar um olhar sobre as comunicações que no início de 1916 eram usadas em França pelas forças britânicas aí presentes, e nas quais as unidades portuguesas se iriam integrar.
2. As comunicações no exército britânico
Quando a guerra começou, no início de Agosto de 1914, todos esperavam que ela fosse de curta duração. Houve mesmo os que pensaram ser possível passar o Natal em casa!
Mas essas esperanças foram destruídas logo nas primeiras batalhas, tanto pelo poder de fogo da artilharia e das metralhadoras, como pelos imensos efetivos mobilizados e participantes dessas primeiras batalhas. A resposta ao poder de fogo foi materializada pela construção da imensa linha de trincheiras da frente ocidental, o que acabou por paralisar as movimentações táticas nas frentes de combate. As tropas entrincheiradas, contrariando o pensamento militar prévio sobre o valor da ofensiva, acabaram por privilegiar as suas posições defensivas, o que levou a quatro anos de guerra sem grandes alterações estratégicas de posicionamento no terreno.
Foram estas condições que impulsionaram os esforços de desenvolvimento de novas técnicas, com o fim último de quebrar o impasse no terreno, onde se contam evidentemente o desenvolvimento de novas armas, como os gases, a aviação e o carro de combate, ou de novas táticas, como o ataque concentrado.
Linha de trincheiras 

aaaaaaaaa

Aspetos de trincheiras

Diapositivo3
Diapositivo1

Resolução do impasse

Diapositivo2

Sem tanta evidência e muito menos conhecidos são os esforços para a implementação de comunicações capazes de responderem às exigências da nova forma de fazer a guerra. Mas esse desenvolvimento foi um facto, e nada ficou igual neste domínio, quando a guerra finalmente terminou em 1918.

 

Comunicação no Exército Britânico – Situação inicial

 

Diapositivo1

 

Em 1914, os principais meios de comunicação nas unidades britânicas, eram, por um lado, os sinaleiros (nos batalhões de infantaria e nas baterias de artilharia) que se deslocavam a pé, a cavalo, em bicicletas ou motocicletas, e por outro, os telégrafos e telefones por fio, que só funcionavam depois da instalação e lançamento das redes.
Estava em uso também a sinalização visual, como bandeiras, sinais e heliógrafos, que prestavam serviço especialmente durante o dia.
Quanto aos equipamentos sem fios, com o uso do código Morse, eles estavam disponíveis, mas eram ainda muito pesados. As suas redes foram especialmente dirigidas ao suporte de ligações especiais, como as redes de informações, o uso da artilharia de ação conjunta, a defesa e a observação aérea, e sobretudo as relações de comando e controle nas grandes unidades.

Nesta altura, o sistema de segurança britânico nas ligações telefónicas e telegráficas era muito fraco. Por exemplo, muitos planos táticos eram lidos em claro através do telefone e escutados pelos alemães.
As mudanças na forma de atuar dos sistemas de transmissões britânicos foram inevitáveis, à medida que a estrutura de trincheiras se foi estabilizando até ao fim de 1914.

 

Comunicações no Exército Britânico – Novos meios

Diapositivo2

Ao longo dos anos da guerra, apareceram no campo de batalha novos e muito mais desenvolvidos meios de comunicação, por fio e sem fio, por terra ou pelo ar, complementando e sendo complementados pelos métodos clássicos da transmissão visual, por estafeta ou pombos-correio. Mas, no final, podemos dizer que os métodos prevalecentes e amplamente usados foram o telefone e o telégrafo, a que se juntou crescentemente e em especial no final da guerra, a telegrafia sem fios.
Entretanto, como continuassem a crescer as preocupações com a capacidade de os alemães intercetarem as comunicações telegráficas e telefónicas perto da linha da frente, surgiram alguns dispositivos que, apesar de tudo, não estavam à prova de interceção, incluindo transmissores que utilizavam a terra como condutor, sem necessidade de fios ou cabos (buzzer – telegrafia pelo solo).
Quando se iniciou o ano de 1916, os serviços de telegrafia esforçaram-se por aumentar a duração das linhas do telégrafo e do telefone, assim como os níveis de segurança.
Foi por esta altura que, fruto das experiências levadas a cabo na própria frente, surgiu um novo equipamento de telegrafia – o fullerphone (projetado pelo Capitão A. C. Fuller), com muito bons resultados. Quase todas as unidades britânicas na frente ocidental passaram a usar estes equipamentos. Embora outros sistemas ainda tivessem sido experimentados, o fullerphone acabou por sobrepor-se a todos os outros. Este sistema usava a transmissão de impulsos de corrente contínua, que não eram detetados.
Era esta a situação das comunicações na frente ocidental, no seio das forças britânicas, quando se iniciaram, em Portugal, os exercícios de uma Divisão de Instrução destinada a ocupar um lugar na frente de combate, juntamente com estas forças.
É evidente que nem tudo poderia ser do conhecimento dos estados-maiores portugueses, mas grande parte dos exercícios efetuados em Tancos não refletia ainda os ensinamentos que depois vieram a ser adotados, não apenas pelas comunicações no C.E.P., mas também na restante atividade das unidades mobilizadas e integradas nas forças britânicas.

 

 

Grande Guerra -III- A Divisão de Instrução (mobilizada)

A Divisão de Instrução mobilizada para os exercícios em Tancos

ORGANIZAÇÃO
Em fevereiro de 1916, a fim de instruir as tropas que poderiam ser deslocadas para o teatro de guerra europeu, foi mobilizada a Divisão de Instrução para efetuar exercícios em Tancos.
A 3 de maio, o Quartel-General da Divisão instalou-se nos edifícios que lhe foram destinados e a 1 de Agosto foi dada por concluída a instrução. Os exercícios terminaram com uma grande parada na charneca de Montalvo, à qual assistiram o Presidente da República, o Governo, membros do corpo diplomático e adidos militares.
Apresenta-se a seguir a constituição da Divisão de Instrução mobilizada, cujas diferenças fundamentais em relação à Divisão de Instrução planeada nos finais de 1915 eram as seguintes:
– Na Divisão só foi mobilizada uma secção de TSF em vez das duas secções previstas no plano, uma de TSF M.T. e outra de TSF M.M.
– As Brigadas de Infantaria tinham dois regimentos em vez de três como previsto no plano;
– Uma “Coluna de Material Divisionário” a um escalão substituiu a “Coluna de Munições” a dois escalões;
– A “Coluna de Víveres” tinha apenas um escalão, em vez dos dois previstos anteriormente;
– Em cada companhia de infantaria o número de sinaleiros passou de 11 para 9;
– A designação de “velocipedistas” foi substituída por “ciclistas”;
– Não foram mobilizadas a “Secção de Subsistemas de Etares”, nem o “Parque de Rezes”;
– Finalmente, o número de elementos responsáveis pelas comunicações – telegrafistas, telefonistas, ciclistas, motociclistas e elementos de ligação (sinaleiros) – na Divisão mobilizada foi bastante inferior ao previsto anteriormente, que era de 1275.

1 – Quartel-General da Divisão
O QG da Divisão era constituído por um Comando e Estado-Maior e por vários serviços que funcionavam a nível divisionário. Em relação às comunicações, que agora nos interessa realçar, o Comando e Estado-Maior tinha quatro ciclistas e seis motociclistas.
Eram os seguintes os órgãos agregados ao QG:
– Escolta
– Serviço Telegráfico (o seu chefe era um capitão de Engenharia e tinha uma praça ciclista que era também amanuense)
– Serviço de Engenharia
– Serviço de Artilharia
– Serviço de Saúde
– Serviço Veterinário
– Serviço Administrativo
– Pagadoria
– Serviço Postal (com dois ciclistas)
– Serviço de Justiça
– Serviço de Polícia

2 – Tropas Divisionárias
Nas Tropas Divisionárias existiam as seguintes unidades, no âmbito do apoio de engenharia e comunicações:
– Companhia de Sapadores Mineiros;
– Secção de Projetores de Campanha;
– Secção Divisionária de Pontes.
– Secção de Telegrafistas de Campanha (com dois oficiais, 12 sargentos e 92 praças das quais 9 eram 1º cabo telegrafistas, 10 –2º cabos e soldados telegrafistas, 3 – 1º cabos sinaleiros e 8-2º cabos e soldados sinaleiros( ver quadro);

Secção de telegrafistas por fio- divisão de instrução (mobilizada)

– Secção de Telegrafistas Sem Fios (com 2 oficiais, 3 sargentos e 26 praças, das quais 2 eram 1º cabo telegrafista e 2 – soldado telegrafista – ver quadro);

secção telegr TSF digitalizado 001(mobilizada)
3 – Grupos de Baterias de Artilharia Montada de 7,5 TR (3)

Cada grupo era constituído por três baterias (total de nove baterias), tendo o seu estado-maior e menor, no âmbito das comunicações, um chefe telefonista (2º sargento) e cinco telefonistas, sendo um deles cabo.
Cada bataria tinha um 1º cabo telefonista e quatro soldados telefonistas.

4 – Regimento de Cavalaria
O Regimento de Cavalaria era constituído por dois Grupos de Esquadrões a dois Esquadrões cada um. O seu estado-maior e menor tinha, no âmbito das comunicações, um Pelotão de Telegrafistas, constituído por um oficial subalterno (comandante do pelotão), quatro ciclistas e dois motociclistas.
Cada Grupo de Esquadrões tinha, no seu estado-maior e menor um 2º sargento telegrafista e um 1º cabo telegrafista. Cada esquadrão tinha, por sua vez, um cabo telegrafista e quatro soldados telegrafistas.

5 – Brigadas de Infantaria (2)
Cada Brigada era constituída por dois Regimentos e cada Regimento por três Batalhões. O Comando e Estado-Maior de cada Brigada tinha dois ciclistas e o Estado-maior e menor de cada Regimento tinha um oficial, comandante do Pelotão de Telefonistas, um 2º sargento telegrafista, quatro telefonistas e três ciclistas.
Cada Batalhão de Infantaria tinha quatro Companhias, sendo que no estado-maior de cada Batalhão os agentes de ligação eram dois telefonistas e dois ciclistas. Por sua vez, cada companhia de Infantaria tinha dois telefonistas e nove sinaleiros.

6 – Grupos de Baterias de Metralhadoras (3)
Havia três Grupos, sendo um a três Baterias de Metralhadoras e dois a duas Baterias. No estado-maior e menor dos Grupos havia quatro ciclistas e três ciclistas, respetivamente.

7 – Coluna de Material Divisionário
O estado-maior da Coluna tinha quatro ciclistas e quatro motociclistas.
8 – Ambulâncias (4)
As Ambulâncias eram quatro e cada uma tinha um ciclista.
9 – A Divisão tinha ainda duas Coluna para Transporte de Feridos, duas Colunas de Hospitalização, uma Secção de Higiene e Bacteriologia, uma Secção Automóvel Sanitário, um Trem de Engenharia Divisionária, uma Coluna de Víveres (com três ciclistas), um Comboio Automóvel com 12 secções, sendo três de reserva, havendo dois ciclistas e dois motociclistas na direção do Comboio e dois motociclistas em cada uma das suas secções.
MAPA DA FORÇA
Apresenta-se o quadro do mapa da força da Divisão de Instrução, verificando-se que o total de mobilizados foi de perto de 20 000 homens.

1-Mapa da Força da Div Inst. em Tancos 001

MAPA DO PESSOAL DE COMUNICAÇÕES
Da análise do mapa salienta-se que do total de 824 elementos ligados às comunicações, as duas Brigadas de Infantaria tinham 432 sinaleiros, 112 telefonistas e 40 ciclistas.

Quadro responsáveis pelas comunicações DI mobilizada 001

UNIDADES E FORMAÇÕES DA DIVISÃO DE INSTRUÇÃO
O quadro que se apresenta faz uma síntese das unidades e órgãos da Divisão de Instrução, assim como da proveniência das tropas e dos seus centros de reunião e mobilização:

 

div unidades e mobilização 1 001 Adiv unidades e mobilização 2 001 Adiv unidades e mobilização 3 001 A

O Milagre de Tancos, a GG e as comunicações de campanha

Amanhã, 9 de Abril (data do desastre de La Lys), a partir das 10:00h, realiza-se no Centro Cultural da Barquinha, no edifício da Biblioteca, um colóquio sobre a GG e o Milagre de Tancos. A entrada é livre.

Entre outros, serão oradores os coronéis Aniceto Afonso e Jorge Costa Dias, membros da CHT, que falarão sobre “As comunicações em campanha – Da Divisão de Instrução à instalação do CEP”.
Tancos Barquinha

Grande Guerra – Divisão de Instrução – Relatório Soares Branco (1)

Post do MGen Pedroso Lima e do Cor Costa Dias,  recebido por msg:

Relatório do Serviço Telegráfico da Divisão de Instrução – 1ª Parte

O Relatório da participação das transmissões nas Manobras de Tancos da Divisão de Instrução, em 1916, elaborado pelo Chefe do Serviço Telegráfico da Divisão, capitão de Engenharia Soares Branco é um documento extenso dividido em 4 partes:

 1ª Parte – Trabalhos efetuados antes de 5-6-1916

2ª Parte – Instrução Técnica das Tropas

3ª Parte – Operações

4ª Parte – Conclusões e Propostas

Com este post dá-se início à apresentação de um resumo do relatório:

1ª Parte – Trabalhos efetuados antes de 5-6-1916

Ligações estabelecidas para o serviço da Divisão no acampamento, com a Direcção de Etapas e Zona de Fogos de Guerra.

O capitão de Engenharia Soares Branco foi nomeado Chefe do Serviço Telegráfico da Divisão de Instrução em Fevereiro de 1916.

A sua missão consistia em elaborar o programa de Instrução das tropas telegrafistas da Divisão, estabelecer as ligações necessárias entre Tancos e Lisboa e entre as forças estacionadas, bem como assegurar o funcionamento do serviço, durante as manobras.

O capitão Soares Branco deslocou-se para Tancos, com o Quartel General da Divisão, em 5 de maio, um mês antes da concentração das tropas. Nessa altura já tinha elaborado o Plano de Instrução, de acordo com a Inspeção do Serviço Telegráfico Militar (ISTM), o que, segundo ele, “muito o beneficiou”.

As ligações permanentes existentes em Tancos, em maio, eram manifestamente insuficientes para suportar o tráfego com o exterior que as manobras iriam exigir.

Na altura, encontrava-se em Tancos a Escola de Aplicação de Engenharia (EAE) [1], onde existia uma estação miliar que se ligava à estação da Barquinha de dia, e de noite às estações militares de Santarém e Abrantes, que se encontravam ligadas às estações civis locais.

Dado o aumento de tráfego previsto, a Direção Geral dos Correios e Telégrafos (DGCT) deu ordem para que as estações civis da Barquinha e Santarém passassem a serviço permanente e que a estação de Santarém centralizasse o trafego entre Tancos e Lisboa.

Esta solução era insuficiente, pelo que o chefe do Serviço Telegráfico propôs ao comando a construção de várias linhas, o fornecimento de 18 km de linha telefónica e 18 km de linha telegráfica, e a vinda de uma esquadra com o efetivo de dois 2º sargentos e de treze cabos e soldados da Companhia de Telegrafistas de Praça (CTP), que chegaram a 15 de maio.

O Comando da Divisão considerou prioritárias as seguintes ligações:

  • Estabelecimento de uma linha telefónica Tancos – Entroncamento para a Direção de Etapas, com estação intermédia na Barquinha;
  • Prolongamento da linha telegráfica militar Tancos – Barquinha (a que seguia pela linha 303 para Abrantes) até ao Entroncamento, permitindo a sua ligação a uma linha civil do Norte (24), cedida pela Direção Geral dos Correios e Telégrafos (DGCT), permitindo comunicação direta e exclusiva para Lisboa;
  • Ligação com alguns comandos de forças que viriam a constituir-se: Brigadas de Infantaria e Comandos da Artilharia e Cavalaria;
  • Linha telegráfica e telefónica para o Casal do Relvão, na zona dos fogos de guerra.

As construções efetuaram-se a uma velocidade de 1 a 2 km por dia devido a terem que ser substituídos quase todos os postes do traçado militar, ou por terem de ser rebaixados e ripadas (retiradas) as linhas existentes.

A linha telefónica e a linha telegráfica entre Tancos e a Barquinha com destino ao Entroncamento foram instaladas utilizando os postes do traçado civil, marginal à linha férrea.

A 1 de junho estavam a funcionar todas as linhas telegráficas e telefónicas na margem Norte do Tejo.

Em seguida começou a construção da linha para sul do Tejo (Arrepiado – Carregueira – Casal do Relvão) que terminou em poucos dias porque a DGCT permitiu a utilização dos postes civis até à Carregueira, pelo que apenas houve que construir cerca de 4 km entre a Carregueira e o Casal do Relvão,

Fundo-3-5-4-22-211_m0056A 12 de junho o serviço estava concluído.

Surgiu uma dificuldade, que foi a de ter que se por de parte a utilização de linhas simples, não só por razões de segurança nas comunicações, mas também por se verificar que a chamada para uma estação acionava também outras.

Para manutenção das linhas, durante o exercício, ficaram 7 praças guarda-fios.

Ao todo, foram montadas, neste período que antecedeu as manobras, as seguintes estações:

  • Estações telegráficas e telefónicas no QG e no Casal Relvão;
  • Estação telefónica dupla na Barquinha;
  • Estações telefónicas simples (CEM e 2ª Rep/Div; 1ª e 2ª Brigadas de Infantaria, Comando da Cavalaria, Comando da Artilharia, Comando da Engenharia e Serviço Telegráfico; Direção de Etapas (Entroncamento), Direção de Fogos de Guerra, Comando da Ponte no Arrepiado e EAE.

Através do indicador da EAE era possível ao QG da Divisão (Aringa) comunicar com várias entidades como o Batalhão de Pontoneiros, a secretaria da EAE, o Hospital de Tancos, entre outras.

As comunicações cm Lisboa ficaram asseguradas pela ligação direta Aringa – Entroncamento – linha 24 -Lisboa e pela linha Tancos – Barquinha – linha 303 – Santarém – Lisboa.

Esta duplicação de linhas para Lisboa viria a revelar-se de grande utilidade durante o Exercício.

A guarnição das estações instaladas:

  • na Central do QG 1 – 2º sargento (da CTP) e 6 – praças (4 da CTP e 2 da STC)
  • na estação do Casal do Relvão 2 – praças (1 da CTP e 2 da STC)
  • na estação telefónica da Barquinha 2 – praças (1 da CTP e 1 da C.S.)
  • as estações telefónicas simples não tinham telegrafistas e eram guarnecidas com pessoal do comando a que estavam adstritos.

Foram gastos cerca de 50 km de fio telefónico, assentes cerca de 200 postes, montadas duas estações telegráficas, uma telefónica de 10 direções em conjugação com outra de 9 direções (na Barquinha) e estabelecidos outros 10 postos telefónicos.

As estações telegráficas e telefónicas do QG (Aringa) e casal do Relvão serviam também para prática dos telegrafistas de campanha, os quais, fora das horas de serviço eram obrigados à permuta de um certo número de despachos. No entanto, apesar dos esforços e dedicação do 2ºsargento da estação do QG (da CTP), poucos resultados se obtiveram visto que o pessoal “praticava na manipulação e receção de despachos mas eram de uma rudeza extraordinária, quanto às regras de serviço”.

O Relatório diferencia claramente a capacidade do pessoal da CTP da do pessoal de campanha.

Com efeito, verificava-se que apenas o pessoal da CTP tinha capacidade para exploração das estações telegráficas e construção das linhas permanentes.

O pessoal de campanha só fazia bom serviço na montagem e levantamento de linhas de campanha e exploração de postos telefónicos.

Mesmo a exploração de estações telefónicas, sobretudo em comunicações com outras civis, só podiam ser realizadas por pessoal da CTP.

Este claro reconhecimento da maior capacidade do pessoal da CTP teria importantes consequências na composição do pessoal do CEP na Flandres, onde se aumentou substancialmente o emprego de pessoal da CTP em relação ao inicialmente previsto, com vista a melhorar a qualidade do serviço.
Redes telefónicas e telegráficas de TancosFundo 3-5-4-22-211_m0051

[1] A Escola Prática de Engenharia foi criada em Tancos em 1880. Em 1911, com a reorganização do Exército da I República, passou a ser Escola de Aplicação de Engenharia. Em 1927 retomou o nome de Escola Prática de Engenharia.

Grande Guerra -II- A Divisão de Instrução (planeada)

Em Maio de 1915 voltou-se a colocar a necessidade de mobilização uma Divisão para atuar no campo de batalha Europeu.
A partir de novembro após Afonso Costa formar Governo, foi decidido preparar uma Divisão de Instrução a concentrar em Tancos.
Apresenta-se a seguir a composição da Divisão de Instrução que foi planeada para vir a intervir no conflito da Grande Guerra, salientando-se os elementos responsáveis pelas comunicações: telegrafistas, telefonistas, velocipedistas, motociclistas e elementos de ligação (sinaleiros).

1– Quartel-General da Divisão

1.1– Comando e Estado-Maior tinha:
Ciclistas – 4
Motociclistas – 6
1.2.– Escolta
1.3.- Serviço Telegráfico
Chefe – capitão de Engenharia-1
Amanuense – praça ciclista – 1
1.4.– Serviço de Engenharia
1.5.– Serviço de Artilharia
1.6.- Serviço de Saúde
1.7.- Serviço Veterinário
1.8.- Serviço Administrativo
1.9.– Pagadoria
1.10.–Serviço Postal
Ciclistas -2
1.11.-Serviço de Justiça
1.12.–Serviço de Policia

2- Tropas Divisionárias

2.1-Companhia de Sapadores Mineiros;

2.2- Secção de Telegrafistas por fios (T.P,F.), com dois oficiais e 12 sargentos e 92 praças (ver quadro):

secção teleg TPF digitalizado 001

2.3- Secção de Telegrafistas sem Fios, com 2 oficiais, 3 sargentos e 26 praças (ver quadro):secção telegr TSF digitalizado 001

2.4- Secção de Projetores de Campanha;
2.5- Secção Divisionária de Pontes
2.6- Secção Automóvel;

3– Grupo de Baterias de Artilharia montadas com 7,5 TR.(3)

O grupo era constituído por 3 baterias

3.1-O estado-maior e menor do Grupo tinha:
Chefe de telefonista (2º sargento) -1
Telefonistas: 1º cabo -1
Soldados – 4
3.2-Bateria
Cada bataria tinha:
Telefonistas: 1º cabo -1
Soldados – 4

4-Regimento de Cavalaria a 4 Esquadrões e uma bataria de metralhadoras a cavalo

O Regimento era constituído por dois Grupos de Esquadrões a dois Esquadrões cada um e uma bataria de metralhadoras a cavalo.

4.1- O estado-maior e menor do Regimento tinha:
Comando de um Pelotão de Telegrafistas, constituído por:
oficial subalterno -1
ciclistas – 4
motociclistas- 2

4.2– Grupo de Esquadrões
O estado-maior e menor de cada Grupo de Esquadrões tinha:
2º sargento telegrafista – 1
1º cabo telegrafista – 1

4.2– Esquadrão
Cada esquadrão tinha:
1º cabo telegrafistas -1
Soldados telegrafista – 4

4.3- Bateria de metralhadoras a cavalo

5– Duas Brigadas de Infantaria
Cada Brigada era constituída por três Regimentos;

5.1- O Comando e Estado-Maior de cada brigada tinha:
Ciclistas – 2
Motociclistas – 1

5.1.1 – Escolta

5.2- Regimento de Infantaria.
Cada Regimento tinha três Batalhões.

O Estado-maior e menor do Regimento tinha:
Comandante do pelotão de telefonistas- oficial-1
2º sargento telegrafista – 1
Telefonistas – 4
Ciclistas – 3

5.1.1- Batalhão de Infantaria
Cada Batalhão tinha quatro companhias.

No estado-maior de cada Batalhão os agentes de ligação eram:
telefonistas – 2
ciclistas – 2

5.1.1.1- Companhia de Infantaria
Cada Companhia tinha:
Telefonistas -2
sinaleiros -11

6- Grupo de 3 Baterias de Metralhadoras
O estado-maior e menor do Grupo tinha:
ciclistas – 4

6.1- Baterias(3)

7- Grupo de 2 Baterias de Metralhadoras
O estado-maior e menor do Grupo tinha:
ciclistas – 3

7.1– Baterias (2)

8- Coluna de Munições a 2 escalões
O estado-maior e menor da Coluna tinha:
ciclistas – 2
Motociclistas – 2

8.1- Escalão(2)
O estado-maior e menor do escalão tinha:
ciclistas – 2
Motociclistas – 2

9– Ambulância(4)
ciclistas – 1

10– Coluna para transporte de feridos

11– Coluna de hospitalização

12– Secção de higiene e bacteriologia

13– Secção automóvel

14– Coluna de víveres a 2 escalões
Na Direção da coluna:
ciclistas – 2

14.1– Escalão(2)
A direção de cada escalão tinha:
ciclistas – 2

14.1.1– secção de viveres (4)
ciclistas – 1

15– Comboio Automóvel
O comboio tinha 12 secções sendo 3 de reserva

A Direção e Estado Maior tinha
ciclistas – 2
Motociclistas – 2

15.1 – Secção(12)
Motociclistas – 2

16- Secção de subsistema de Etares
17– Parque de rezes

 

A seguir apresenta-se o quadro do pessoal de comunicações planeado para a Divisão de Instrução num total de 1286 elementos, em que se salienta a utilização de:

41 praças radiotelegrafistas
264 praças telefonistas (60 na artilharia e 204 na infantaria )
98 estafetas em bicicleta
48 estafetas em motocicleta
803 sinaleiros (agentes de ligação)

 

quadro pessoal DI(planeado) 001

 

 

 

 

 

 

 

Tancos, as manobras de 1866 e a telegrafia de campanha

O Polígono militar de Tancos, onde se situaram a Escola Prática de Engenharia (hoje Regimento de Engenharia nº1), o Batalhão de Caçadores Pára-quedistas, mais tarde Regimento de Caçadores Pára-quedistas, mais tarde ETAT (hoje Escola de Tropas Pára-quedistas), a Base Aérea nº 3 – onde eu vivi 10 anos, mais tarde CTAT (hoje Unidade de aviação ligeira do Exército) e o Batalhão de Transmissões nº3 do Casal do Pote (extinto em 1967) é bem conhecido dos militares portugueses, sobretudo dos mais antigos, e das populações da área, nomeadamente Entroncamento, Tomar, Abrantes, Tancos, Constância e Praia do Ribatejo, onde ainda hoje residem muitos reformados militares e seus familiares.

O Polígono militar de Tancos, hoje (vista Google)

O Polígono militar de Tancos, hoje (vista Google)

Limitado aproximadamente pelas povoações de Tancos (civil) a oeste, pelo Tejo a sul, até à Praia do Ribatejo (antiga Paio de Pele), Fonte Santa, Vale de Poços e Madeiras a leste, e pelo Seival, a noroeste, ocupa uma área de cerca de 380 hectares.

O que muitos desconhecem é que a sua existência remonta a 1866, quando ali foi criado, numa charneca cheia de mato e pedras, e em tempo recorde, um Campo de Instrução e Manobra para o Exército. Decidida a aquisição dos terrenos, que decorreu de forma amigável com as dezenas de proprietários, pela quantia total de 14.725,752 réis, foi possível construir no reduzido tempo de cerca de 40 dias (a brigada de engenharia começou a trabalhar no dia 21AGO) um enorme campo militar para alojamento e exercício do Exército, com 274 construções em madeira, centenas de barraquins de lona, paióis, hospital, enfermaria veterinária, cavalariças, matadouro, padaria, cozinhas, refeitórios, correio, abastecimento de água, etc, a tempo de receber os milhares de homens que ali se começaram a juntar no dia 01OUT1866. Este terá sido o primeiro “milagre de Tancos“, a que se seguiu, na primavera de 1916, um outro, mais conhecido, que foi a extraordinária improvisação para, em três meses, transformar o polígono militar de Tancos, na ocasião estendido até à planície de Montalvo, a meio caminho para Abrantes, numa estrutura capaz de receber e treinar uma divisão de instrução com vinte mil soldados. O Corpo Expedicionário Português partiria em Janeiro de 1917 para combater na Flandres, a nossa frente europeia na Grande Guerra

Acampamento-Tancos

Parte do acampamento em 1916

Montalvo

O grande desfile militar em Montalvo (22JUL1916)

O detalhado relatório final, publicado em 1868, mas escrito em 1867, da responsabilidade do Coronel do Corpo do Estado Maior António de Mello Breyner, que fora o Sub-chefe do EM do Campo, merece ser aqui destacado nos aspectos mais marcantes, nomeadamente os que referem a utilização, pela primeira vez em Portugal, da telegrafia eléctrica em campanha:

Relatório sobre o Campo de Instrução e Manobra
que teve lugar na Charneca de Tancos
no mês de Outubro de 1866

Sendo reconhecida a necessidade de dar ao exercito uma instrucção pratica e desenvolvida do serviço de campanha, e de se adextrar nas grandes manobras e exercícios, foi decretado na organisação do exercito de 20 de dezembro de 1849 o estabelecimento de um campo do instrucção, determinando-se por portaria de 18 do março de 1861 que o campo de instrucção fosse estabelecido no sitio das Vendas Novas, indo ali durante um até dois mezes, no outono de cada anno, a força que o governo designasse para aquelles exercícios.

Esta útil medida, apesar de se haverem feito alguns trabalhos preparatórios, não pôde levar-se a effeito, até que no anno passado o ex.mo ministro da guerra, António Maria de Fontes Pereira de Mello, avaliando a sua importância e a vantagem que d’ahi resultaria ao exercito, vencendo todas as difficuldades e removendo todos os embaraços que se apresentavam, ordenou a formação do campo, nomeando previamente, por portaria de 9 de julho do mesmo anno uma commissão com o fim de propor todas as medidas para a realização d’aquclle pensamento, e de modo que resultasse ao exercito a máxima instrucção e disciplina.

A commissão, em desempenho da sua missão, tratou de proceder ao exame dos terrenos próximos da capital, em que se podesse estabelecer o campo em questão, o não os encontrando com as precisas condições, nem mesmo a Granja do Marquez de Pombal, entre Cintra e Mafra, que lhe fora indicada, dirigiu suas vistas para o campo das Vendas Novas, e para a charneca de Tancos, tendo de abandonar o primeiro, comquanto fosse o marcado, como dito fica, pelo encontrar pouco salubre, aceitando a segunda localidade, comquanto a 115 kilometros distantes de Lisboa, mas por ser de fácil communicação, tanto pelo caminho de ferro como pelo Tejo, ordenando a alguns dos seus membros que ali fossem para a reconhecer e examinar.

A commissão delegada marchou no dia 25 de julho para proceder ao reconhecimento do terreno, sua extensão, natureza do solo, qualidade e quantidade das aguas nativas, dando em seguida parte do que encontrara; mas reconhecida a necessidade da competente planta, para mais segura informação, foi esse trabalho encarregado a uma brigada do corpo do estado maior, que já havia levantado a da Granja do Marquez, e que com a maior presteza e perfeição com que são feitos todos os trabalhos d’aquelles officiaes, a levantaram na escala de 1 para 5:000, entregando-a depois á commissão delegada, que em presença d’esse documento pôde rectificar a sua primeira informação, de que o terreno era bom, sadio, ponto importante com relação á defeza do paiz, de fácil communicação com a capital, com boas aguas nativas, mas em pequena quantidade, podendo porém a sua falta ser supprida com as do rio Zêzere, ou do Tejo, comquanto de difficil trabalho, pela altura a que tinham de ser elevadas as primeiras, que todavia julgava preferíveis ás segundas, porquanto se havia de sujeitar o serviço do campo, ao do caminho de ferro, por ter a canalisação de o atravessar; notando por ultimo que para o fim destinado, achavam que o campo só admittia para acampar, satisfazendo-se a todos os preceitos escriptos, e tendo um bom campo de alarme para manobra, a força de 4:000 até 6:000 homens de todas as armas.

A charneca de Tancos é quasi plana, numa elevação de 50 a 60 metros acima dos rios Tejo e Zêzere que a limitam pelo sul e leste, e 40 a 50 metros pelo norte e sul, pelas ribeiras do Seival e de Tancos, comprehendendo uma área de 380 hectares, e o seu perímetro de proximamente 7:200 metros correntes.

Recebidas pelo ex.mo ministro da guerra estas informações, mas querendo ter toda a certeza da salubridade do campo, ordenou que dois facultativos militares acompanhassem a commissão informadora, que ali tornou no dia 27, dando-se depois parte da exactidão com que, mesmo pelo lado da sanidade, tinha sido apreciado aquelle local. Julgado portanto o campo em boas condições, por portaria de 3 de agosto foi determinado o estabelecimento do acampamento na charneca mencionada, para os exercícios e manobras no anno findo, esperando-se d’esse ensaio, para definitivamente se resolver, se aquelle terreno poderia com vantagem ser destinado permanentemente para aquelle fim.

Planta do Campo de Instrução e Manobra

Planta do Campo de Instrução e Manobra (clique na imagem e depois, em baixo, volte a clicar na definição, para a aumentar, e de novo na imagem, para ver em detalhe)

Determinado o campo e marcada a força que ali havia de reunir, e que posteriormente por portaria de 12 de setembro foi designada, isto é, 3 brigadas de infanteria na força de 7:400 homens, 1 brigada de cavallaria na força de 1:278 homens e 951 cavallos, 1 regimento de artilheria de 6 baterias, e 1 bateria de montanha, na força de 702 homens, 30 bocas de fogo, 125 cavallos e 240 muares, 1 batalhão de engenheria de 506 homens, do corpo de administração que devia constar de 189 praças, 4 cavallos e 42 muares, formando um total de 10:075 homens, 1:116 cavallos, 282 muares e 30 bocas de fogo; procedeu a brigada do corpo do estado maior, debaixo da direcção do ex.mo general chefe do estado maior, Carlos Benevenuto Cazimiro da Silva, ao traçado do acampamento, subordinando-o ao terreno dado, e á força marcada: assim pois estabeleceu-o com o flanco direito apoiado no Tejo, a frente coberta pelo rio Zêzere, e o flanco esquerdo tendo a ribeira do Seival, ainda que de pequena importância, formando duas linhas, sendo a segunda considerada reserva.

1866 - Acampamento visto do Alto da Carrascosa (Monte D. Luis) / gravura de B. Lima e G. Pereira

1866 – Acampamento visto do Alto da Carrascosa (Alto D. Luis I) / gravura de B. Lima e G. Pereira  (clique na imagem e depois, em baixo, volte a clicar na definição, para a aumentar, e de novo na imagem, para ver em detalhe)

E o relatório prossegue com uma descrição muito detalhada do campo e das instalações, podendo ler-se a dada altura – … na distancia de 600 metros, sobre uma altura de 40 metros acima do nivel do campo, denominada Outeiro da Carrascosa, mas que depois tomou o nome de Alto de D. Luiz I, se levantaram as barracas reaes para Suas Magestades, El-Rei D. Luiz no centro, El-Rei D. Fernando á direita, e para Sua Alteza o Senhor Infante D. Augusto á esquerda; na retaguarda as destinadas aos seus camaristas e ajudantes, e mais comitiva, e para o poente as barracas para o ex.mo ministro da guerra, e marechaes do exercito duque de Saldanha e conde de Santa Maria, assim como se haviam também disposto outras para os generaes. ou outras personagens que fossem visitar o campo.
Alem d’estas barracas haviam-se construido as cozinhas para serviço de Suas Magestades, de 15 metros de comprimento, 6 metros de largura e 3 metros de altura, e para s. ex.a o ministro, de 4m,5 de comprimento e largura e 3 de altura.
Os abrigos para os cavallos de serviço a Suas Magestades, tinham 36 metros de comprido, 6 metros de largura e 3 metros de altura, e para os cavallos de serviço das outras personagens de 10 metros de comprido, 4m,5 de largura e 3 metros de altura.

O monte D. Luis e o terreno de manobra, hoje, vistos da torre da ex-BA3

O monte D. Luis e parte do terreno de manobra, vistos da torre de controlo da ex-BA3

No extremo do campo, na retaguarda da esquerda da linha, e sobre uma ondulação do terreno bem arejado, e nas condições devidas, foi construido de madeira o hospital militar, bello edifício de 74 metros de fachada principal, incluindo dois corpos avançados de 8 metros por 7 metros de largo.

E mais à frente: Em igual distancia proximamente da primeira e segunda linha (dos estacionamentos das brigadas), em ponto um pouco elevado, estava assente o quartel general;… para o sul e norte duas barracas de madeira, a do lado do sul do feitio de uma casa suissa (Chalet) foi destinada a servir de gabinete photographico do campo, e a outra, em estylo egypcio, á estação de telegraphia electrica;

As manobras do Exército tiveram lugar durante todo o mês de Outubro de 1866. As unidades começaram a marchar para o campo logo no dia 1, tendo o Bat de Caçadores nº5 sido o primeiro a chegar, logo na tarde desse mesmo dia, e prolongaram-se até meados do mês. A maioria foi transportada de comboio, até à estação nova (hoje estação do Almourol), mas unidades houve que por terra seguiram a cavalo e até uma que foi transportada num vapor (entre Lisboa e o Algarve).

Anx L1Anx L2O comandante em chefe foi o general de divisão Visconde de Leiria, o segundo comandante o general de divisão José Gerardo Ferreira Passos, o chefe do EM do campo o general de brigada Carlos Benevenuto Cazimiro, sendo as três brigadas de Infantaria comandadas respectivamente pelos generais de brigada Augusto Xavier Palmeirim, Visconde do Sardoal e José Manuel da Cruz, a brigada de cavalaria pelo general de brigada Jeronymo Maldonado da Silva Eça e a brigada de Engenharia pelo TCor do Corpo do Estado Maior de Engª Joaquim António Esteves Vaz. O chefe divisionário – director da telegraphia, foi o tenente graduado de Infª Augusto Bon de Sousa.

Comando e Quartel General

Comando e Quartel General

No dia 14 o rei D. Luis visitou o acampamento e as demais instalações e assistiu a uma missa campal. Todos os dias se realizaram exercícios por Corpos e Brigadas mas, nos dias 20, 23 e 25, houve três grandes exercícios de armas combinadas. Finalmente, no dia 27, na presença do rei D. Luis I, da rainha D. Maria Pia, do príncipe D. Augusto de Bragança (irmão do rei, então com 19 anos, que seguiu a carreira militar e chegou a general de divisão) e do rei D. Fernando II (que enviuvara de D. Maria II em 1853 e fora regente na menoridade de D. Pedro V, o filho mais velho, falecido em 1861), teve lugar o grande exercício final, em ambas as margens do Tejo, aproveitando o lançamento pela Engenharia de uma ponte sobre 33 barcos, com 230m de comprimento e 2,9m de largura, entre Tancos e o Arrepiado (local que até hoje é sempre usado, como se verifica no exercício Tridente da NATO que decorre por estes dias):

Chegadas as tropas a Tancos (civil) tomou posição á direita e esquerda da ponte, em local apropriado, a bateria de montanha. com o fim de proteger a passagem do rio, caso o inimigo a tentasse impedir; assim como o regimento de artilheria n.° 1, que occupou para o mesmo fim as alturas da margem direita, e bem assim para sustentar a retirada da força, conjunctamente com a infanteria que formava a reserva com a cavallaria.

O ex.mo commandante em chefe estabeleceu o seu quartel general próximo á ponte.

Dada esta disposição á força protectora do movimento, marchou o batalhão de caçadores n.° 2, que com a maior presteza transpoz a ponte e em atiradores coroou os montes, que em alguns pontos são de difficil accesso, fazendo logo um vivíssimo e bem sustentado fogo de fuzilaria, sendo supportado pelos regimentos de infanteria n.os 5 e 16, mandados em seu apoio; seguiram depois as mais forças do ataque, bateria de montanha, meio esquadrão de cavallaria n.o 5, e o general commandante acompanhado de uma estação telegraphica de campanha, que se poz em communicação com outra do quartel general, com a qual esteve em continuada correspondência, e finalmente o batalhão de caçadores n.o 9.

Verificada a passagem destas forças, tomaram ellas as posições convenientes, fazendo muito fogo a artilheria de montanha em uma eminencia, varrendo com os seus tiros todo o terreno em frente do flanco direito: suppondo-se haver o inimigo conhecido o seu descuido e chamado em seu auxilio grandes forças, o combate tornava-se desigual e repellindo o ataque, e obtendo vantagem tentava flanquear a posição com o fim de tomar a ponte e impedir a retirada á força atacante, comquanto o regimento de infanteria n.° 16 e batalhão de caçadores n.° 9 estivessem collocados para impedirem aquelle movimento e sustentarem a retirada.

O ex.mo general em chefe, em presença das imaginadas demonstrações do inimigo, que lhe foram communicadas telegraphicamente, ordenou pelo mesmo meio, a retirada das forças, satisfeito o fim da operação.

A determinação d’esta ordem foi executada com regularidade, sendo a retirada de toda a força protegida pela artilheria do regimento n.° 1, e pelos fogos dos corpos da margem direita postados para esse effeito, e apenas passara a ultima praça, cortou-se a ponte com a maior rapidez, produzindo um bello espectáculo.

Findo o exercido regressaram ao campo Suas Magestades e Alteza, e collocados devidamente, ali receberam a continência que as tropas tiveram a honra de fazer áquelles augustos senhores, desfilando para os seus abarracamentos.

Recolhidos ás barracas reaes, fizeram a honra de convidar a jantar a todos os generaes, e mais officiaes a quem da primeira vez fizeram igual distincção.

Havendo tambem entrado n’aquelle exercício a telegraphia de campanha, empregada pela primeira vez entre nós, e convindo ser conhecido o respectivo apparelho, adiante vae descripto, devendo antes consignar, que o serviço telegraphico do campo foi estabelecido no dia 27 de setembro pelo chefe divisionario Augusto Bon de Sousa, constando de três estações, a do quartel general, paço e administração militar, tendo esta ultima um fio directo para o entroncamento, communicando com o do caminho de ferro, para facilitar as ordens para transportes de géneros, e material pelos comboios expressos e mesmo ordinários.

O numero de palavras transmittidas desde o dia do seu estabelecimento até o dia 31 de outubro foi de 128:692. Os apparelhos para as linhas do estado eram do systema Morse, e para as do caminho de ferro do de Bréguet.

Na telegraphia de campanha o fio conductor empregado era de duas dimensões de diâmetro (0m,001 o 0m,002) de cobre destinado a ser collocado no chão de rastos, achando-se isolado por duas capas de algodão e uma camada de verniz.

A extensão do fio de que se podia dispor era de 13 kilometros, enrolado em seis bobines (carretel) de 0m,80 de altura, cada uma com 500 metros de fio, e o resto em uma bobine grande colocada sobre uma padiola, pesando com o fio 114 kilogrammas, e podendo sem custo ser conduzida por três homens.

As bobines pequenas que tinham um eixo ôco, que atravessava um outro de ferro que saía pelas extremidades, eram conduzidas por dois homens, pegando-lhe cada um de seu lado, e deixando o fio pelo chão, desenrolando-o á proporção que marchavam.

Os apparelhos eram três do sistema Morse com pilhas de Bunsen, compostos de doze elementos com sulphato básico de mercúrio, por não haver em Lisboa o sulphato acido, que é o que deve ar empregado n’estas pilhas.

Estava cada um acondicionado dentro de uma mochila de pelle de vitella do tamanho das ordinárias distribuídas ao exercito, sendo conduzidas ás costas de soldados pela mesma forma, os quaes para esse fim foram postos a disposição do chefe da telegraphia.

O aparelho foi fabricado pelo engenheiro de instrumentos de precisão Hermann, antigo discipulo do instituto industrial, pelas diligências do director geral dos telegraphos do reino, o ex.mo sr. José Vitorino Damásio, bem conhecido propugnador das industrias da nossa patria, tendo-se seguido o modelo de um de Digney, que pertence a Sua Magestade El-Rei D. Luiz, que se dignou confia-lo para aquelle fabrico ao dito director, o qual, homem de sciencia e de amor pelo paiz, quiz fosse experimentado no campo de instrucção e manobra, entregando-o ao cuidado e estudo do muito inteligente e bom empregado chefe divisionario acima mencionado, que gostoso aceitou o encargo de proceder ás necessárias experiencias d’aquelle tão grande como útil auxiliar nas operações da guerra.

Este chefe, que montara os telegraphos no campo e que fazia parte do quartel general, havia por vezes experimentado a conductibilidade do fio em differentes distancias, não valendo a pena fazer uma experiência definitiva no campo de alarme, porque a sua pequena extensão tornava quasi inútil a applicação d’aquelle poderoso e rápido meio de transmissão de ordens, não tendo tambem pessoal montado, nem os meios precisos, que aliás convém ter, como existem já em outras nações.

Na Prússia e na Itália usam de um carro próprio aonde vae o apparelho e o telegraphista, o que se não fez por falta de tempo, alem de que em um paiz montanhoso como o nosso, em muitas partes não poderia ser empregado com vantagem.

Offerecendo o exercício do dia 27 de outubro bom ensejo para se experimentar a telegraphia de campanha que fica descripta, porquanto atravessando a tropa o rio, e tendo de operar a grande distancia do commandante em chefe, com quem convinha communicar-se com rapidez, offereceu-se o sr. Bon de Sousa para acompanhar a força atacante, como effectivamente acompanhou, pondo-se ás ordens do respectivo commandante, o general Augusto Xavier Palmeirim. Para o fim desejado deixou estabelecido o telegrapho volante junto ao quartel general sobre uma pequena mesa de tesoura, extremamente portátil, e dada a ordem de avançar, a força marchou com um outro telegrapho, sendo acompanhado de seis guardas fios e quatorze soldados do regimento de infanteria n.° 2, e um sargento, mandados para esse serviço: destes um levava ás costas o apparelho, e os outros conduzindo as bobines pequenas. O fio ia sendo desenrolado em marcha na retaguarda do batalhão de caçadores n.° 2, pelo lado esquerdo da ponte, á qual era fixo por meio de verrumas do tamanho ordinário, enterrando-se na testa da ponte na margem esquerda para não ser partido pela cavallaria, que seguia na retaguarda da brigada de telegraphia, continuando depois até ao ponto em que o general Palmeirim o mandou estabelecer, tendo-se desenrolado 2 kilometros de fio, tendo sido feitas as ligações das differentes porções, com torçadas abrigadas por pequenos tubos de guta-percha, fortemente atadas nas extremidades com nastro.

Esta linha foi enterrada mais duas vezes por causa das passagens das tropas, o resto ou pelo chão, ou suspenso aos muros e silvas, etc.

Apenas estabelecido foi o telegrapho, começou a transmissão dos despachos do general Palmeirim para o quartel general e deste para aquelle. Tendo por fim dado parte, como já foi mencionado não poder sustentar-se, foi-lhe dada ordem de retirar, o que começou a executar-se logo, levantando o posto telegraphico quando passaram as ultimas tropas da força atacante, marchando na frente da guarda da retaguarda como é uso, atravessando portanto a ponte momentos antes de ser cortada.

Alem destes apparelhos, havia um outro no quartel general e ligado aos intermédios da linha, ao longo do caminho de ferro para Lisboa, base principal das operações.

A experiência teve o melhor resultado, a conductibilidade do fio, posto que enterrado por tres vezes e lançado sobre o terreno, era boa, assim como os apparelhos muito sensíveis. A corrente eléctrica, posto que se desenrolassem só 2 kilomctros, atravessou 8, porque se ligaram todas as bobines.

A força avançada ainda mais continuaria em comunicação, não só com o quartel general, mas tambem com Lisboa.

Os soldados, posto que fosse a primeira vez que fizessem similhante serviço, o desempenharam, assim como os guarda-fios, com o maior zelo e boa vontade, como informou o chefe citado o sr. Bon Sousa, lendo-se prestado a fornecer todos estes esclarecimentos, assim como os srs. capitães António José da Cunha Salgado (cap de Cavª, chefe de toda a administração militar do campo) e Ladislau Miceno Machado Alvares da Silva (cap de Engª, responsável pelo abastecimento de água desde o Zêzere e das fontes existentes na área), cada um na parte que se refere ao serviço de que estavam encarregados.

Verifica-se pois que a telegrafia eléctrica de campanha foi entre nós pela primeira vez utilizada em Tancos, no longínquo dia 27 de Outubro de 1866, sob a chefia de Augusto Bon de Sousa, e com o maior sucesso. Também a capacidade de decisão das chefias militares de então e a rapidez na execução da criação e utilização do campo (desde a nomeação de uma comissão para escolha do local, em 09JUL, até ao inicio das manobras, em 01OUT), devem ser, ainda hoje, motivo de orgulho para todos nós.

A extinção do BTm 3

Post do MGen Pedroso Lima, recebido por msg:

BTm3 simbA extinção do BTm 3 deu-se em 1967 e resultou de uma reorganização das unidades de transmissões  no processo que levou à criação oficial da Arma em 1970. O BTm 3, que fora a unidade  de Transmissões da 3ª Divisão, deixara de ter qualquer capacidade em termos de Transmissões de campanha, tendo-se transformado num Centro de Instrução destinado a formar  especialistas de transmissões para a Guerra Colonial. A remodelação previa a concentração da instrução no Regimento de Transmissões (Porto) criado em 1965.

No entanto à extinção do BTm 3 foram postas algumas objeções, postas pelo Comando da 3ª Região Militar, e que foram superadas pelo capitão Pereira Pinto, que foi o oficial que mais se distinguiu no BTm 3, ao serviço da 3ª Divisão.

Casal Pote

As instalações do BTm 3, junto à bifurcação da estrada para a EPE, em Tancos (foto Google)

Vejamos como ele, nas suas Memórias, conta a sua intervenção neste episódio da extinção do BTm 3,  unidade com a qual tinha uma forte relação afetiva:

“… haveria que extinguir o Btm3 e transferir o BTm3 para o Porto para, com o BTm que lá existia, se constituir um RTm em substituição do REng2.

Essa ideia teve muita dificuldade em ser aceite pelo EME, porque lá se afirmava que o BTm3 era insubstituível na 3ª RM, pelo que se realizou uma reunião no EME onde o Brig Santos Paiva mandou o Cap Pereira Pinto, que tentou a todo o transe escusar-se, pois se tratava da extinção do seu BTm3, extinção que ele teria que defender.

Foi realizada tal reunião, a qual, logo de início decidida contra a extinção, mesmo sem ouvirem as declarações do representante da DAT.

Perante a surpresa manifestada por este, lá o deixaram apresentar as suas razões, mas  a reunião foi suspensa, sem decisões, perante a última objeção apresentada pelo representante da 4ª Rep, que afirmava que a 3ª RM dependia muitíssimo dos equipamentos do BTm3 para as suas necessidades de instrução e de ordem pública.

O representante da DAT pôs em dúvida que tal se passasse, mas declarou que estaria em condições de, nos próximos 2 dias, quantos lhe restavam para sair numa missão ao estrangeiro, apresentar o plano de distribuição de materiais dentro da RM afim de obviar essas situações.

Regressado à DAT dirigiu-se à Rep Material pedindo que lhe fossem fornecidas as cargas das unidades da 3ª RM, convencido de que, até por aí se situarem várias unidades da 3ªDiv, lá deveria haver equipamentos bastantes para uma redistribuição. Esquecera-se dos envios para o Ultramar. Efetivamente não havia.

Face a isso, e perante o compromisso que assumira, foi pedir á 3ª Rep os encargos operacionais de todas as unidades do país, pediu a relação das cargas em material rádio e, durante os 2 dias (e não podiam ser mais porque dali a 2 dias tinha que partir para a Bélgica para um estágio de GE) fez um terrível estudo de redistribuição dos variados materiais para que fosse possível a todos se tornarem autossuficientes.

No tempo combinado foi entregue na 4ª Rep /EME o referido estudo, apresentado sob a forma de mapas onde se faziam as transferências,  e dali seguiu para o comboio.

O BTm3 foi autorizado a ser transferido para vir a ser integrado no Regimento de Transmissões a criar no Porto. Contudo, não consta que tal estudo tivesse alguma vez posto em prática.”

Um Mastro a sério

Fotografia de autor desconhecido, pertença da CV do RTm, muito provavelmente tirada no polígono militar de Tancos, nos primeiros anos do Séc XX. Mastro de antena, de madeira (3 secções), com cerca de 60 m de altura, como parece ser, ou um posto de observação com dois patamares? Fosse o que fosse, é uma fotografia espantosa, digna de gente de coragem, engenho e grande iniciativa.

Geradores ‘in tandem’

Experiências rádio na EPE, Tancos, inícios do séc XX

Estação ligeira Telefunken, com o gerador tandem

Rádio Telefunken L.M.T. (detalhe)

Rádio Telefunken (L.M.T.), alimentado por um gerador accionado por dois militares montados numa bicicleta ‘tandem’. Depois dos Ducretet-Popov, estes foram os segundos rádios adquiridos pelo Exército, com 3 modelos – 2 fixos, 2 hipomóveis e este, transportável a dorso. Seguiram-se os Marconi (11 equipamentos – 5 a dorso, 3 hipomóveis e 3 automóveis), e depois os SIF, os SFR (ambos franceses) e outros. Pelo meio, alguns foram construídos nas oficinas do BT, como o célebre DSL (das iniciais dos nomes dos Alf Duarte e Sargs Silva e Lucas).

BTm 3 – Casal do Pote, Polígono militar de Tancos

O rectângulo do extinto BTm 3 (‘O Glorioso‘ – 1956/66), junto à Escola Prática de Engenharia (EPE) e à antiga Base Aérea nº3 (BA3), hoje (Foto Google).
Em baixo pode ver-se a ilha onde se localiza o Castelo Templário de Almourol (conquistado aos mouros por D. Afonso Henriques em 1129 e reedificado em 1171 por Gualdim Paes, o fundador de Tomar).

Unidade completamente motorizada, na dependência operacional da 3ª Divisão (SHAPE) e com apoio logístico da EPE, o BTm 3 foi aqui instalado após as grandes manobras de 1956 em Sta Margarida, sendo extinto quando foi transferido para o Porto em 1966 e integrado no RTm.
Com o BTm 3 apareceram pela primeira vez no nosso Exército novos meios de comunicações, até então desconhecidos nas transmissões de campanha em Portugal, como sejam os Feixes hertzianos, os Teleimpressores de campanha e os primeiros Rádios FM de campanha.

O "nosso" BTm 3 nos dias de hoje.

O estado em que se encontra o “nosso” BTm 3 nos dias de hoje.