O Pombo correio (3)

Os Pombos-correio desempenharam um papel vital na Grande Guerra, pois provaram ser um modo extremamente confiável de enviar mensagens, dada a ineficácia dos sistemas de transmissão à distância então existentes. Tal era na altura a importância dos pombos, que mais de 100 mil foram utilizados durante a guerra de 1914-18, com uma surpreendente taxa de sucesso de 95% a conseguirem chegar até ao seu destino, com a sua mensagem, apesar de milhares terem sido abatidos a tiro, ou mortos por falcões e outras aves de rapina empregues por ambos os lados.

Pombo_trincheiraNa primeira batalha do Marne (SET1914), os franceses tinham no terreno 72 pombais. À medida que o exército francês avançou, os pombais de campanha avançaram com ele, mas muitos dos pombos estavam “em serviço”, levando mensagens, e nunca poderiam saber para onde o seu pombal  se tinha mudado. Incrivelmente, todos os pombos “franceses” no Marne regressaram aos seus pombais – apesar de terem tido que  voar “às cegas”, sem  saber para onde o seu pombal fora deslocado.

pombal movel

Autocarro londrino de 2 andares transformado em pombal móvel

Todos os países envolvidos na frente oeste os utilizaram intensivamente, desde os alemães, aos franceses, belgas e ingleses, mas também aos portugueses. Uma vez que o CEP, que integrava uma Secção de Pombais Militares, estava integrado no exército inglês, muita da instrução e muitas das normas e instruções, nomeadamente na área das Transmissões, eram inglesas.

Caixa de transporte anti-gás com sistema de colocação de msgs durante um ataque, capturada aos alemães.

Caixa de transporte anti-gás com sistema de colocação de msgs durante um ataque, capturada aos alemães.

No AHM (1ª Div, 35ª Sec, respeitante ao CEP – Corpo Expedicionário Português), encontra-se guardada uma curiosa transcrição para português de uma dessas instruções, com referência, nomeadamente, ao procedimento a adoptar para protecção dos pombos com sacos específicos, em caso de ataque com gás:

Maj.R.E.
S.D.Signals,XI Corps
………………………………………………………………………….

Carga de cestos, etc., por Divisao:
12 – cestos modelo de Infantaria
72 – portadores de mensagens
6 – livros de mensagens
6 – livros de mensagens de reserva
6 – sacos anti-gaz

Instrucoes dadas aos “pombeiros”.
1. Ser-lhe-ha dito para onde tera que ir, pelo oficial sinaleiro da Brigada.
2. Os pombos so podem ser soltos entre as 6 da manhã e as 6 da tarde.
3. Os pombos nao devem ser alimentados nas primeiras 24 horas em que tenham saido dos pombais.
4. De-lhes muita agua.
5. Quando enviar uma mensagem, note que leve o numero do pombo e a hora da largada. De a outra copia ao oficial que manda a mensagem e destrua o papel chimico imediatamente.
6. Quando houver alarme de gaz ponha o cesto dentro do saco contra o gaz e conserve-o absolutamente fechado ate precisar usar os pombos. Uma vez soltos os pombos subirao imediatamente para cima do gaz.
7. Veja onde esta o cesto dos pombos de modo a poder ir busca-los quando precisar.
8. Trate os pombos carinhosamente; quando forem necessarios eles serao provavelmente o unico meio de comunicacao que resta.
………………………………………………………………………..
Carta circular n.6 do Sub-Director dos Sinaes.
………………………………………………………………………..
4/7/916
(a) Maj. R. E.
S.D.Sinaes. XI Corpo

Finalmente, uma imagem da transcrição da msg e de um posterior livro sobre o mais famoso episódio da GG envolvendo um pombo (Cher Ami), já aliás mencionado no post O Pombo Correio (2)
“For heavens sake stop it”:

Curiosa e conhecida msg transmitida por pombo-correio.

msg transportada pelo mais famoso pombo-correio da GG (Cher ami) e enviada pelo Maj Whittlesay, cmdt de Bat da 77ª Div de infª americanaCher ami

Anúncios

Os Pombais móveis

Após a sua introdução em Portugal em 1872, e do período áureo da rede de pombais militares do final do séc XIX, os pombos correio voltaram a ser largamente utilizados pelo Exército entre os anos 30 e os anos 50 do séc XX, tendo existido até diversas viaturas adaptadas a pombais móveis. Pelo valor histórico e eventual interesse para os columbófilos nacionais, publica-se a composição desses pombais, bem como o conteúdo normalizado das farmácias portáteis para o serviço columbófilo:

Material e acessórios de um Pombal móvel:
(segundo o Quadro orgânico do Bat Tm, 1952)

PARTE DE DENTRO DA VIATURA:

1. Compartimento da frente:

Ninhos                                                                                        30
Tijelas                                                                                         20
Bebedouros de nível constante                                                    2
Poleiros                                                                                       2
Comedouros cobertos para ração, em zinco                                2

2. Compartimento do centro:

Ninhos                                                                                        26
Poleiros                                                                                       2
Bebedouros de nível constante                                                    2
Comedouros cobertos para ração, em zinco                                2

3. Compartimento posterior:

Depósito para 100 litros                                                              1
Cesto para 20 pombos                                                                1
Gaiola de ferro para cesto de 20 pombos                                    1
Cestos para 4 pombos                                                                 2
Armário com 4 gavetas                                                                1

a) Gaveta nº 1:
Glicerosfosfato de cal (quilos)                                              1
Insecticida líquido (quilos)                                                   1
Pulverizador                                                                        1
Alcool puro (litros)                                                               1
Óleo de fígado de bacalhau (quilos)                                     1
Algodão hidrófilo (latas)                                                      1
Gaze esterilizada (latas)                                                       1
Éter sulfúrico (gramas)                                                       200
Mercúrio cromo (gramas)                                                   100
Zaragatoa de glicerina e hidrato de cloral (gramas)            200
Copo graduado de vidro para 500 cm3                                1
Insecticida em pó (quilos)                                                    1
Sulfato de sódio puro (quilos)                                              1
Cafeteira de ferro esmaltada (litros)                                     1
Rolos de cordel                                                                    1

b) Gaveta nº 2:

Taboleiro nº 1:
Martelo de 500 gramas                                                        1
Alicate universal isolado                                                       1
Chaves de fenda                                                                   2
Serrote pequeno de várias folhas                                          1
Alicate de pontas compridas (chatas)                                    1
Turquês                                                                                1
Verrumas                                                                              4

Taboleiro nº 2:
Rolos de fita isoladora                                                         1
1 Estojo de cirurgia, contendo:
Tesouras                                                                             2
Agulhas curvas para suturas                                               6
Escalpelo ou lanceta                                                           1
Sonda                                                                                 1
Pinças curtas                                                                       1
Pinças de bicos compridos                                                  1
Seringas de 3 cm3                                                               1
Agulhas inoxidáveis                                                            4
Rolos de fio encerado                                                         1
Pincéis para pintura a óleo                                                  2
Lápis cautérios de sulfato de cobre                                     2
Rolos de adesivo de 5 x 1/4m                                             1
Termómetro de 10 a 100ºC                                                 1

Fundo da gaveta nº2:
Cartas de ninho                                                                 500
Livros de registo de pombos                                               1
Selos de chumbo para fechar cestos                                 1000
Alicate para selar chumbo nº1                                            1
Rolo de arame de ferro zincado de 1 mm com 20m            1
Lápis químicos Viarco                                                        12

c) Gaveta nº 3:
Balança dinamómetro para 100 Kg                                      1
Caixa com 12 pesos                                                            1
Medidas de ¼, ½ e litro                                                       3
Sal comum (litros)                                                               1
Lanterna eléctrica                                                               1
Campainha eléctrica de reserva                                          1
Balança Roberval pequena                                                  1
Fogareiro a petróleo                                                           1

d) Gaveta nº 4:
Bolsas porta-esboços                                                         200
Cadernos de despacho                                                       100
Cadernos de esboço                                                           50

4. Parte de baixo do depósito:

Baldes de ferro zincado                                                               1
Creolina (quilos)                                                                          5

5. Compartimento inferior sobre a cabina:

Taboleiro em ferro esmaltado em branco com 18×0,24×0,04     1
Tinas de 0,60 em zinco para banhos de pombos                         2
Peneiras                                                                                       2
Caixas para cereais (grandes)                                                      2
Caixas para cereais (pequenas)                                                    2
Bebedouros especiais para ninhos                                              10
Sacos de 2 quilos de grita simples                                              10
Blocos de 500g de grita ferruginosa e salgada,
dentro das caixas dos cereais                                                     10

6. Cofres:

Cofre posterior (da direita):

Bebedouros especiais para cestos                                          25

Cofre posterior (da esquerda):

Comedouros de zinco para cestos                                          25
Caixas de zinco para ração de cereal                                      50

Cofre da frente (da direita):

Cestos aviários para 2 pombos                                                 4
Coletes de linho com atacadores e suspensão                          8
Trouse da ferramenta composta por:
Balde de lona                                                                            1
Martelo                                                                                     1
Gambiarra                                                                                1
Almotolia                                                                                 1
Funil                                                                                         1
Grampo de vulcanizar                                                               1
Caixa de remendos                                                                   1
Desperdício (quilos)                                                                  1
Caixa de interiores de válvulas                                                  1

Cofre da frente (da esquerda):

Enxada                                                                                      1
Rolo de corda                                                                            1
Vassouras de piassaba com cabo comprido                               3
Vassouras de esparto (pequenas)                                              3
Escovas de piassaba com cabo comprido                                   3
Vassouras de esparto com cabo comprido                                 2
Raspadores triangulares com cabo de ferro                               3
Pá com cabo de madeira                                                           1

7. Acessórios e artigos de expediente (compartimento interior sobre a cabina):

20 estojos para columbogramas contendo (em uma caixa de zinco):

Caderno de despachos                                                            1
Lápis químico                                                                          1
Folhas de papel químico                                                          3

20 estojos para columbogramas contendo (em uma caixa de zinco):

Caderno de esboços                                                                1
Bolsas porta-esboços                                                              6
Lápis químico                                                                          1
Folhas de papel químico                                                          3

PARTE  POSTERIOR E EXTERIOR DA VIATURA:

Escada articulada                                                                            1

NO TEJADILHO DA VIATURA:

Armação, grades e respectiva cobertura de lona

Duas das viaturas usadas como Pombais móveis cerca de 1948

Farmácia portátil para pombal militar:

Caixa de madeira portátil 1
Frasco de álcool puro (litros) 1
Frasco com insecticida 1
Frasco com mercúrio cromo (100 gramas) 1
Frasco de glicerina (50 gramas) 1
Hidrato de cloral (200 gramas) 1
Frasco com pó insecticida 1
Pulverizador 1
Frasco de vidro para algodão hidrófilo 1
Lata com gaze esterilizada 1
Caixa de metal cromada para artigos de cirurgia 1
Adesivo de 5×1/4 m (rolos) 1
Agulhas curvas para suturas 6
Escalpelo ou lanceta 1
Lápis-cautérios de sulfato de cobre 2
Pinça de bicos compridos 1
Pincéis pequenos 2
Sonda 1
Tesouras 2

O Pombo correio (2)

Post do MGen Pedroso Lima, recebido por msg:

Neste post pretendem-se apresentar alguns elementos sobre a utilização de pombos correios na antiguidade e sobretudo nas guerras dos séculos XIX e XX, nas quais o pombo-correio, com a sua enorme capacidade de “voltar para sua casa” prestou serviços inestimáveis ao esforço de guerra.

A primeira referência à utilização de pombos correios[1] aparece em 2900 AC, no tempo dos faraós do Egito, relatando a sua utilização por personalidades importantes, quando se deslocavam em embarcações, par anunciarem, a sua chegada  ao  porto de destino.

Os mensageiros do rei Sargão da cidade de Acade (Mesopotâmia), em 2350 AC, levavam consigo pombos-correios. que largavam, no caso de serem atacados, para pedir socorro.

Gengis Kan (1167 -1267) usou os pombos para montar um sistema de comunicações através da Ásia e Europa.

Na Guerra Franco-Prussiana, (1870-1871) os pombos correios tiveram um papel fundamental permitindo assegurar, conjuntamente com a utilização de balões e o emprego da microfotografia as comunicações de Paris, cercada pelos alemães, para o exterior. A criação de pombais militares em Portugal, como noutros países, poucos anos depois, resulta de importância atribuída a este meio que permitia superar as falhas do telégrafo elétrico.

Durante a Primeira Guerra Mundial os pombos tiveram larga aplicação. sendo destacar o pombo “Cher Ami” que foi criado e treinado numa base americana em França e que salvou o chamado “Batalhão Perdido” da 77ª  Divisão Americana, a quem o pombo tinha sido doado e que se encontrava nesse Batalhão quando, foi cercado por forças alemãs e que corria riscos de ser bombardeado pelas próprias forças americanas. Os rádios falharam e o Cher Ami foi enviado, como única solução possível. Após ter percorrido 40 quilômetros em 25 minutos, atravessando a região ocupada pelos alemães, o pombo chegou à artilharia americana gravemente ferido, mas entregou a mensagem. O texto indicava a localização do batalhão e pedia que cessassem o fogo. Os 194 soldados do Batalhão Perdido comemoraram, aliviados. O pombo  ganhou a Cruz de Guerra  em homenagem ao seu heroísmo.[2]

Na Segunda Guerra Mundial merecem  destaque dois pombos-correios  também condecorados (entre cerca de 3 dezenas):

– O pombo “G.I. Joe” que salvou milhares de vidas civis e militares na vila Italiana de Calvi Vecchia,  ao entregar a mensagem para as forças aliadas não bombardearem esta vila como estava programado, desconhecendo que a vila tinha sido tomada por um batalhão inglês.

– O pombo “Guilherme de Orange”  que salvou a vida a 2000 soldados durante a batalha de Arnhem em 19 de Setembro de 1944. Devido a um problema de comunicações (perda de sinal) as tropas,  cercadas pelo exército alemão,  não conseguiam pedir auxílio. “Guilherme de Orange”  foi enviado com a mensagem que informava a localização e a situação. Voou 250 milhas até à sua base em Inglaterra com muito mau tempo durante mais de quatro horas.[3]

Muitas outras aplicações tiveram na guerra os pombos correios como por exemplo os bombardeiros ingleses levarem pares de pombos-correios para facilitar a sua localização no caso de serem abatidos, o uso em vez do rádio em situações de “silêncio rádio” ou para evitar a radiolocalização, como nos submarinos.

Há uma aplicação curiosa foi a de procurar obter informações da resistência francesa sobre o dispositivo e a situação das forças alemãs através da utilização de “Kit-espiões” que incluíam pombos-correios, instruções para o envio de mensagens e que eram lançados de paraquedas.

A resposta alemã teve duas vertentes. Por um lado, através de snipers ou da utilização de “falcões peregrinos” (os mais eficazes a caçar pombos) procuravam eliminar os pombos quando largados. Por outro lançaram os seus próprios pombos, pedindo as mesmas indicações aos resistentes franceses mas solicitando a sua identificação que explicavam ser para efeitos de serem condecorados no fim da guerra. Para tornarem o kit mais apelativo juntavam cigarros ingleses.

A reação inglesa tem alguma coisa a ver com o humor britânico pois aconselhou os resistentes a, quando no kit lhe pediam para se identificar o melhor que  tinham a fazer era fumar os cigarros que lhe ofereciam e aproveitar os pombos como reforço alimentar.

Convém acrescentar que o destino de pombos como reforço alimentar não é nenhum exclusivo do Exército português.

Para terminar queria só acrescentar que a “guerra dos pássaros” não se limitou ao que descrevemos em relação à resistência francesa. Os ingleses também tiveram a precaução de intercetar os pombos correios usados pelos espiões ao serviço dos alemães em Inglaterra com o uso de falcões peregrinos.


[1] PEHRSON, J Holzmann Bjoorn, The Early History of Data Networks, 1994, pág 14 e 15, bem como os outros exemplos de aplicações antigas