As TRANSMISSÕES na GRANDE GUERRA – Relatório de Soares Branco (6)


Post do Cor Aniceto Afonso, recebido por msg:

  1. A ENTRADA EM LINHA DAS UNIDADES PORTUGUESAS

Introdução

Ainda no capítulo II do seu relatório, o capitão Soares Branco aborda a questão da entrada em linha das primeiras unidades portuguesas e dos problemas com que se defrontou para que a operação corresse o melhor possível. É desse assunto que trataremos neste texto.

Depois do período de instrução nas respetivas Escolas, as unidades portuguesas foram-se preparando para substituir unidades inglesas nas linhas da frente. O primeiro setor a ser ocupado foi o de Ferme du Bois, com uma frente de cerca de 4 km, dividido em dois subsetores de Batalhão em 1ª linha. Os Batalhões da 1ª Brigada foram os primeiros a avançar para as respetivas linhas, começando por um período de estágio junto das unidades inglesas, desde as Companhias até à Brigada. Ainda em março já se iniciava esta sobreposição. Pelos fins de abril tudo estava pronto para que as unidades portuguesas assumissem as suas responsabilidades operacionais.

THE PORTUGUESE EXPEDITIONARY CORPS ON THE WESTERN FRONT, 1917-1918 Portuguese troops entraining for the front line in France, 1917. Copyright: © IWM

Mas Soares Branco não podia deixar de avisar o estado-maior do CEP, em nota de 30 de abril:

Aproxima-se o momento em que tropas nossas deverão marchar para a 1ª linha com a responsabilidades dos seus sectores e este Serviço, bem a pesar seu, tem a declarar antecipadamente que não pode garantir nem sequer estabelecer em más condições qualquer sistema de ligações interiores entre unidades portuguesas e muito menos entre unidades portuguesas e inglesas.

Com inteira verdade tenho sempre informado as estações superiores acerca do grau de instrução do pessoal e dos recursos do serviço, e não posso pois ser inculpado no dia em que este problema for de capital importância de não ter formulado a questão nos seus devidos termos.

Mais valia a presença de (13 x 24) 312 praças de telegrafistas de praça há algum tempo em França para tornar profícua e possível a nossa participação com o Exército inglês, que a vinda de um Batalhão de Infantaria.

Algumas dessas praças são da classe de 1908 e como tal, necessitam algum tempo de instrução.

Só podem chegar nos fins de maio. Quando pois, poderá haver ligações entre as unidades?

E se assim está o problema para as Divisões, para o Corpo e para a Arti­lharia as coisas passam-se de modo análogo.

Para o Corpo é indispensável a vinda imediata da 3ª Secção de T.P.F. sem preocupações de quaisquer pequenas faltas de material técnico que aqui facil­mente possa suprir.

Para a Artilharia de Campanha, os seis oficiais adjuntos propostos antes de fevereiro, quando chegarem, pelo menos a três deles, os da 1ª Divisão, destino di­ferente terei que propor, pois não é justo nem prático que aos três subalternos de artilharia que até hoje têm tido a seu cargo a instrução das secções de sinaleiros dos Grupos, lhes seja retirado esse serviço de ligações para o en­tregar a outros que não acompanharam a instrução e tão tardiamente chegaram.

Para a Artilharia Pesada propus e V. Ex. aprovou, que fosse pedido para Lisboa a vinda de cinco secções de Marconi a dorso já existentes em Portugal. Sem elas nada se poderá fazer; qualquer instrução que aqui não seja dada só servirá para protelar a questão e desviar elementos que aqui, e só aqui, podem prestar o seu concurso”.

E para que não restassem dúvidas sobre o essencial das necessidades do Serviço Telegráfico para responder às tarefas que lhe estavam cometidas, resumia Soares Branco a situação, ainda na mesma nota:

“Para resumir o que acabo de expor formulo as seguintes questões:

1. Para que as Divisões possam ter serviço de ligações é indispensável:

a) a vinda imediata de 13×24=312 praças da Companhia de Telegrafistas de Praça para os Batalhões de Infantaria, e de um Sargento e 10 Soldados para cada Divisão.

b) a vinda dos seis subalternos pedidos para a Artilharia e provenientes dos Telegrafistas de Campanha ou de Praça.

2. Para que a Artilharia Pesada possa ter ligações é indispensável a vinda de um tenente, cinco subalternos de Telegrafistas, pessoal e material de TSF sistema Marconi 1/2 Kw.

3. Para que o Corpo possa ter a rede de comunicações que lhe compete é in­dispensável a vinda da Secção de T.P.F. Nº 3.

4. Para que o Serviço Telegráfico possa ser razoavelmente estabelecido pare­ce pouco um adjunto, que pelos Quadros lhe compete, mas de que também não pôde até hoje dispor”.

Portanto, nem tudo estava bem do ponto de vista do Serviço Telegráfico. Como Soares Branco explicará, a capacidade de adaptação e a experiência no terreno acabaram por solucionar muitos dos problemas que parecia não terem solução.

Entrada em linha

A 1ª Divisão assumiu a responsabilidade operacional do seu setor no dia 16 de junho de 1917. Antes disso, as suas Brigadas e todos os Batalhões tinham já assumido essa responsabilidade sob o comando das unidades inglesas instaladas no terreno. Os primeiros Batalhões portugueses a avançar para a 1ª linha foram o Batalhão de Infantaria 22 e o Batalhão de Infantaria 34 (em 10 e 16 de maio respetivamente), que guarneceram os subsetores I e II do Setor de Ferme du Bois.

Em apoio avançou o Batalhão de Infantaria 28 e em reserva o Batalhão de Infantaria 21, ficando este na 2ª linha ou linha das aldeias, onde veio a instalar-se o Comando da 1ª Brigada, em Chateau du Raux.

Château du Raux, hoje

As unidades de Artilharia começaram a avançar também em meados de maio, em apoio das respetivas unidades da frente.

No início de junho estava também na frente a 2ª Brigada, que ocupou um dos subsetores de Neuve Chapelle, estendendo a frente defendida por unidades portuguesas para 6 km. Ficaram em 1ª linha os Batalhões 35 e 23, em apoio o Batalhão de Infantaria 24 e em reserva o Batalhão de Infantaria 7. O QG da 2ª Brigada instalou-se em Les Huit Maisons.

Finalmente instalou-se no Chateau de la Giclais o QG da 1ª Divisão, comandada por Gomes da Costa, ocupando a 2ª Brigada todo o setor de Neuve Chapelle e ficando a frente portuguesa da 1ª Divisão com 8 km. A 3ª Brigada ficou em reserva.

Gen Manuel Gomes da Costa, the Commander of the 1st Division CEP, outside his HQs in Lestrem, 24 June 1917. Copyright: © IWM.

Neste primeiro contacto com as linhas da frente, especialmente durante a sobreposição com as tropas inglesas, todos aprendiam o dia-a-dia das trincheiras que constava de uma série de tarefas cuja descrição podemos encontrar num outro relatório elaborado pelo major António José Teixeira, comandante do Batalhão de Infantaria 10. Diz ele que as praças aprendiam:

“a reparar um troço de trincheira, a conhecer o ‘a postos’ da manhã e da tarde, que era quando todos ocupavam o seu lugar para combate, a vigilância das sentinelas, o perigo das patrulhas pela esburacada terra de ninguém, a eficácia dos tiros dos atiradores experimentados, os snipers, o cuidado da observação nos postos de periscópio, o atavio diário da máscara, capacete e espingarda, como inseparáveis companheiros, e a irrepreensível limpeza das trincheiras, etc.”.

Lestrem – hora do Rancho

Por seu lado, os oficiais também tiveram a sua aprendizagem e, diz-nos o mesmo autor, focaram-se essencialmente em conhecer:

“os pontos vulneráveis, os melhores para atacar e contra-atacar, os caminhos de emergência e a sua utilidade, o sistema de drenagens e de abastecimentos, os serviços de saúde, os sinais de alarme de gás, os postos e instrumentos destinados a esses sinais e ainda a forma de pedir o SOS, os dispositivos durante o dia e os da noite, a forma de elaborar os relatórios diários e os de informações e ainda outros respeitantes aos nossos trabalhos e aos do inimigo, à direção do vento, à maneira de fazer requisições de material e víveres, de assinalar o número de granadas enviadas pelo inimigo e os pontos exatos de queda, espécie de fogo, movimento de aeroplanos, etc., etc.”.

Entrada em linha dos sinaleiros

O capitão Soares Branco estava sem dúvida preocupado com o bom desempenho dos seus telegrafistas e telefonistas, que ele sabia estarem minimamente preparados e poderem, com a prática, equivaler-se aos seus camaradas ingleses, mas o que essencialmente o trazia apreensivo era a capacidade dos sinaleiros para cumprirem as suas missões, pois, como diz, “evidentemente que é ocioso acentuar a sua falta de preparação”.

Os primeiros sinaleiros, depois da frequência da escola de formação, partiram para a frente no dia 19 de abril, a fim de se juntarem aos Batalhões 34 e 22. Ao mesmo tempo avançaram também os sinaleiros das primeiras baterias de Artilharia.

Soares Branco não perdeu tempo e fez uma primeira visita a estas unidades ainda na primeira quinzena de maio, lamentando-se:

“fui encontrar o pessoal sinaleiro dos Grupos sem indicadores nas estações telefónicas…”.

Sendo assim, deviam os responsáveis portugueses e ingleses ser postos perante o problema, por forma a não se repetirem estas situações:

“O Exército Inglês que por um lado ativava a entrada em linha das nossas primeiras forças, não me fizera enviar a tempo o material telefónico que lhes competiria e que em 30 de março fora requisitado pela terceira vez.

Em nota Nº 86 relatei o resultado da minha visita às baterias já na linha, e propus que não fosse ordenado a nenhuma secção de sinaleiros a sua marcha para a frente, antes de lhe ser distribuído na zona da retaguarda todo o material que lhe fosse necessário.

Assim, foi comunicado ao 1º Exército e algum tempo depois começava chegando o material técnico necessário de forma a poder regularizar-se um pouco a sua distribuição”.

Resolvido o problema do material, restava a preocupante situação do pessoal das secções de sinaleiros e do apoio que deviam dar a todas as unidades da frente. A eficiência de um sistema de ligações, com o envio e a receção de mensagens dentro dos prazos estipulados era, como sempre é, a base de uma boa ação de comando, que deve ter acesso rápido a todas as informações que chegam das unidades que ocupam o terreno, assim como estar certo de que as suas ordens e orientações chegam em tempo aos seus comandos subordinados. Essa é a base de um dos elementos essenciais do combate e também um princípio da guerra – o Comando/Ligação. E se na situação de uma frente estática o problema era por vezes resolvido por outra forma, especialmente através de estafetas, a verdade é que em muitas situações tal não se revestia da eficiência indispensável.

Era com base nesse conhecimento, que Soares Branco se empenhava na preparação dos sinaleiros, que ele bem sabia constituírem um dos elos fundamentais da cadeia de comando. Daí a expressão das suas preocupações:

Mas a falta de suficiente instrução do pessoal sinaleiro, pela sua pouca permanência na Escola de Sinaleiros (cerca de 4 semanas), o diminuto número de praças que soubessem ler e escrever corretamente, a não existência de pessoal de Telegrafistas de Praça que enquadrassem essas primeiras seções de sina­leiros, a dificuldade enorme que sempre existe em treinar o ouvido à perceção rápida de sinais só transmitidos pelo vibrador acústico, a proibição por causa das interceções de mensagens por parte do inimigo dos despachos tele­fónicos, constituíram outras tantas causas de dificuldades para a montagem do serviço que só uma excecional boa vontade por parte dos oficiais sinalei­ros e das praças, procurando por todas as formas aperfeiçoar os conhecimentos e treino já adquiridos, pode explicar o haver-se conseguido o regular funcionamento das ligações que se foi obrigado a estabelecer algum tempo depois na nossa lª Divisão especialmente nessa 1ª Brigada que entrou na linha (Batalhão de Infantaria 34, 22, 21 e 28)”.

Como relata Soares Branco, um oficial inglês que visitou com ele a Escola de Sinaleiros, ao ver a dificuldade que os homens tinham em escrever, comentou:

“vós não podeis fazer destes homens sinaleiros de infantaria. No vosso caso dava ordens para que os despachos fossem transmitidos pelo telefone”.

E Soares Branco não deixa de lamentar a situação:

“Era triste de facto ver por esta forma exteriorizada a nossa inferioridade e patenteado bem a lume a praga do analfabetismo, quando tudo poderia ser remediado com uma mais rápida solução das propostas para a Metrópole enviadas”.

Plano de ligações a estabelecer

De qualquer maneira, a entrada em linha das unidades portuguesas era irreversível e quando as primeiras Brigadas já se aprontavam para seguir para a linha da frente, o Quartel-General Britânico, através da Missão Britânica, assim como o 1º Exército solicitaram ao Serviço Telegráfico do CEP,

“o plano geral das ligações a estabelecer para o caso da entrada em linha de uma ou duas das nossas Divisões juntamente com as tropas britânicas”.

Nestas circunstâncias, Soares Branco propôs em 14 de maio, e depois o Quartel-General Britânico estabeleceu, as seguintes regras para as ligações e as comunicações entre as unidades e os comandos das duas forças:

“1. Que junto dos QG do Corpo, das Divisões e Brigadas laterais funcionassem estações de junção portuguesas e inglesas, onde o serviço fosse executado, para as ligações interiores por pessoal português e para as ligações exteriores por pessoal inglês.

2. Que junto dessas estações houvesse algumas praças intérpretes, que fa­cultassem as constantes relações que a permuta de despachos certamente acarre­tava.

Desta forma, sem que uns embaraçassem os outros, eu conseguia resolver o gravíssimo problema da diferença de velocidade de transmissão pelo acústico entre os nossos telegrafistas e os telegrafistas ingleses, e o não menos importante facto das comunicações telefónicas em dois idiomas diferentes que dificultariam e impossibilitariam as comunicações.

Um telegrama do Exército para uma unidade do Corpo seria recebida no telégrafo inglês, entregue ao telegrafista português do Q. General do Corpo e por este enviado pelo telégrafo ao destinatário.

Uma comunicação telefónica de uma Repartição do Quartel-General Português era pedida pela Repartição ao indicador telefónico português, e por este pedida ao indicador inglês em ligação direta com o 1º Exército que a realizava”.

Ficava assim estabelecido o sistema de ligações entre o CEP e o comando e as unidades britânicas. Mas Soares Branco não duvidava do muito que ainda faltava fazer para garantir a eficiência do sistema acabado de estabelecer. Por isso a Escola de Sinaleiros continuou a ministrar a instrução necessária, em circunstâncias difíceis, pois as unidades estavam já nesta altura desfalcadas de muitos dos seus quadros e praças e os reforços solicitados ou não chegavam, ou chegavam muito lentamente, tornando muito difícil o cumprimento eficaz das missões do Serviço Telegráfico.

Conclusão

A entrada em linha das primeiras unidades portuguesas processou-se, apesar de tudo, com normalidade. Todas tiveram oportunidade de efetuar um estágio com as tropas britânicas, já muito experientes, pois estavam nesta situação desde 1914. Pelos relatos que nos chegaram, todos foram bem recebidos pelos militares ingleses e todos iniciaram a sua presença na frente com boa vontade, empenhamento e desembaraço. À medida que o tempo foi passando e que as circunstâncias se foram agravando, em termos de rendição de tropas, de rotação nas linhas e do completamento de efetivos, a situação tendeu a complicar-se, ao ponto de se tornar insuportável do ponto de vista militar.

Tanto os soldados de infantaria, como os telegrafistas, guarda-fios e sinaleiros, ninguém poderia ficar imune ao lento descalabro das unidades portuguesas, que foram ficando cada vez mais reduzidas e mais fracas, tanto do ponto de vista operacional, como do ponto de vista moral.

Pelo que Soares Branco nos diz, os seus militares cumpriram sempre com grande empenho e muito sentido do dever as missões que lhes estavam atribuídas, apesar das circunstâncias adversas. Mas isso exigiu de todos um esforço suplementar, que Soares Branco procura realçar no seu relatório.

Anúncios

Um comentário a “As TRANSMISSÕES na GRANDE GUERRA – Relatório de Soares Branco (6)

  1. Lendo este relatório sinto um travo amargo pela forma desmazelada como as entidades nacionais trataram do apoio e das rendições do pessoal e do material. Sinto ao mesmo tempo um certo orgulho pela forma denodada e sábia como agiu o camarada Soares Branco. Aos Camaradas autores deste trabalho os meus parabéns. Cruz Fernandes

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s