Grande Guerra -IV- Divisão de Instrução, manobras de 1916 – 2ª parte


As comunicações na Divisão de Instrução, nas manobras de 1916 

Aniceto Afonso
Jorge Costa Dias

3. Os exercícios da Divisão de Instrução

Passemos então aos exercícios da Divisão de Instrução.
Quando se tornou evidente que Portugal iria enviar uma força para o teatro europeu, o governo decidiu mobilizar e instruir uma Divisão, como forma de preparação para esse fim.
A opção por Tancos foi assumida em Fevereiro de 1916, e os planos de mobilização iniciaram-se desde logo.

Diapositivo1
Objetivo das manobras
Numas manobras militares deste tipo, com permanência de quase quatro meses no campo, procurava-se testar e treinar algumas capacidades do exército e das suas unidades e serviços, nos seguintes aspetos:
– Capacidade de mobilização, concentração e instalação de comandos e unidades;
– Elaboração de planos de ação pelos estados-maiores dos diferentes níveis;
– Capacidade de execução de exercícios táticos, desde simples manobras de pequenas unidades (Companhia) até operações mais complexas de grandes agrupamentos mistos e da própria Divisão de Instrução;
– Capacidade de instalação e de atuação de infraestruturas logísticas e técnicas de apoio às manobras, como transportes, reabastecimentos, comunicações, organização do terreno, alimentação, saúde, etc.
– Treino de conduta de operações, tanto através de exercícios planeados como em situações inopinadas;
– Verificação das capacidades de resistência do pessoal, bem assim como do seu conhecimento, da disciplina e do moral;
– Verificação da adequação dos materiais e equipamentos, tanto individuais como coletivos.
Temos hoje uma visão geral dos resultados, através dos relatórios elaborados pelas unidades e órgãos participantes. E se em alguns aspetos, as manobras são apreciadas positivamente, existe alguma unanimidade em relação à necessidade de melhorar procedimentos, substituir materiais e munições, continuar a instrução militar e fortalecer a educação cívica.

Diapositivo2

 

Cronologia dos exercícios
Vejamos a cronologia dos exercícios e a forma como eles foram implementados.
A incorporação do contingente começou em Janeiro, com o início da recruta de 1916 nas unidades de instrução, onde fizeram, até Abril, a recruta e o treino tático ao nível Secção e Pelotão.
As unidades para manobras foram constituídas nas unidades das divisões territoriais de Viseu, Coimbra, Vila Real e Tomar. A concentração e instalação fez-se entre Abril e Maio e as manobras ocorreram entre Maio e os primeiros dias de Agosto.
Os exercícios iniciaram-se com manobras de Companhia e foram-se tornando mais abrangentes e complexos, até ao exercício final de toda a Divisão.
É preciso notar que nestas manobras só tomaram parte quatro Regimentos de Infantaria dos seis que constituíam a Divisão de Instrução, pelo que no período de 4 de outubro a 24 de novembro de 1916, também em Tancos, foi ministrada a instrução aos dois Regimentos restantes integrados numa brigada (a 3ª BI). Nesta apresentação não serão abrangidas estas manobras complementares.
Foram levados a efeito, então, os seguintes exercícios:
 Exercícios de Companhia -Entre 26 de Maio e 10 de Junho

Diapositivo3

Estes execícios constaram de:

-Proteção em estação
-Combate de postos avançados
-Manobra de retirada
-Marcha para o inimigo
-Combate defensivo
-Marcha de aproximação
-Combate ofensivo
-Trabalhos de fortificação
-Fogos de guerra

14 programa de instrução de companhia

 

 Exercícios de Batalhão – De 11 a 25 de Junho

Diapositivo4

Estes execícios constaram de:

-Proteção em marcha para o inimigo
-Proteção em marcha de flanco
-Proteção em marcha de retirada
-Preliminares do combate
-Ocupação de posição
-Rotura de combate
-Aproximação em combate ofensivo
-Marcha para concentração

15 programa de instrução de batalhão
Exercícios de Regimento – De 26 a 30 de Junho

Diapositivo5

Estes execícios constaram de:

-Combate ofensivo Barquinha e Rodeio
-Combate defensivo Laranjeiras e Grou
-Ação dupla Ofensiva Barquinha
-Ação dupla defensiva Barquinha

16 programa de instrução de regimenti
Exercícios de Agrupamentos Encorporados –De 3 e 11 de Julho

Diapositivo6

Estes execícios constaram de:

-Forças P.A. e P.V. (Partido Azul E Partido Vermelho)
-Ofensiva e defensiva – Barquinha
-Ofensiva e defensiva – Grou
-Fogos de Guerra
-Organização defensiva

17 programa de instrução de agrupamentos incorporados

Exercícios de Pequenos Destacamentos Mixtos – de 13 e 14 de Julho

Estes execícios constaram de ações entre as forças P.A. e P.V. (Partido Azul e Partido Vermelho)

-Exercício Nº 1 – Ação Simples Defensiva– Figueiras-Laranjeiras
-Exercício Nº 2 – Ação dupla ofensiva e defensiva – Margem direita do Zêzere e Constância
-Exercício Nº 3 – Ação simples ofensiva – Montalvo

19 programa de instrução de destacamentos mixtos
Exercícios de Grandes destacamentos Mistos –De  17 a  20 e de 24 e 25 de Julho

1º  Destacamento

Diapositivo8

Exercícios realizados pelas unidades da  1ª BI em formações de apoio.

TEMA: Estacionamento em SANTA CITA, ataque à posição do Grou, defesa da Barquinha

2º Destacamento

Exercícios realizados pelas unidades da  2ª BI e do Grupo de Artilharia em formações de apoio.

TEMA: Ocupação da Barquinha, defesa da posição do Grou, ataque à posição da Barquinha

Parada de Montalvo -Em 22 de Julho

 Exercícios da Divisão de Instrução – De 26 de Julho a 1 de Agosto

1º Brigada (Azul) – Marcha: Abrantes-Casa Branca-Tolosa
2ª Brigada (Vermelha) – Marcha: Montalvo-Pego-Casa Branca-Gavião
Reconhecimentos
Combate entre a quinta da Marguila e Vale Grande

20 exercicio de divisão Tema

 Desconcentração e regresso das unidades aos seus quartéis -Entre 2 e 6 de Agosto

Mapa da força

Vejamos finalmente o mapa da força que esteve presente nos exercícios, com um total de quase 20.000 homens, mais de 5.000 solípedes e mais de 1.200 viaturas.

3-Mapa da Força da Div Inst. em Tancos 001
Podemos destacar o peso das unidades de apoio e dos serviços, com cerca de 1/4 dos efetivos, assim como a participação de um significativo número de viaturas automóveis (incluindo camiões) e as poucas bicicletas e motocicletas ainda disponíveis.
Deixamos para o final a apresentação de umas breves conclusões.

 

Anúncios

Um comentário a “Grande Guerra -IV- Divisão de Instrução, manobras de 1916 – 2ª parte

  1. Neste segundo post dedicado às manobras de Tancos, em 1916, descrevem-se os objetivos das manobras e a cronologia dos exercícios que se realizaram, de diferentes níveis: companhia, batalhão, destacamentos mistos e de Divisão, este precedido da parada de Montalvo.
    Trata-se de uma informação indispensável para se perceber a atuação das transmissão nestas manobras, que será apresentar nos posts que se seguirão.
    Em relação aos objetivos apontados para as manobras, extraídos da documentação existente no AHM e destinado aos militares participantes, não se indica, naturalmente, o objetivo político destas manobras do governo do partido Republicano Democrático de mostrar aos seus aliados que o nosso Exército estava em condições de participar na guerra.
    Como se sabe, em fevereiro de 1916, quando começou a preparação destas manobras os ingleses mantinham a posição de considerar que Portugal deveria manter a “neutralidade não declarada”. A declaração de guerra da Alemanha, em março veio alterar esta posição inglesa, mas continuava a interessar ao governo acelerar a participação na guerra.
    Daí que, para a grande parada de Montalvo o governo tenha convidado os adidos militares dos países amigos e tenha promovido uma enorme propaganda das manobras que teriam demonstrado a capacidade do nosso exército para participar na Guerra, ao lado dos nossos aliados.
    Acrescento ainda um pormenor curioso relativo ao tema do Exercício de Divisão, indicado no post e para o qual cor Cosa Dias me chamou a atenção. O tema indica que se trata no combate entre a 1ª e a 2ª Brigadas da DI, representadas no terreno. A 2ª defende o país da invasão da1ª que pretende atravessar o tejo em Belver ou Abrantes .
    O curioso é que a 2ª Brigada, na defensiva, é designada como sendo do P.V. (país Vermelho), ou seja com a cor republicana. E a segunda, na ofensiva e invasora do país é indicada como sendo do P.A. (país Azul) cor da monarquia.
    Não parece difícil compreender estas designações se nos lembrarmos que, em 1916, a república apenas tinha 6 anos e que Portugal era das poucas republicas existentes na Europa..

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s