Os “S.R. MKII – H.Q. STATION” e os “S.R. MKII – O.S.”


Post do nosso leitor e colaborador Sr João Freitas, recebido por msg:

Com base numa patente alemã, já em 1910 e 1913, na Rússia, se fizeram testes de “referenciação pelo som” da artilharia inimiga, ou seja, a determinação da posição de uma peça de artilharia ou bateria, através do som emitido durante o seu próprio disparo. O processo baseava-se no princípio da onda de som gerada pelo disparo (ou qualquer outro som) se propagar no espaço em círculos concêntricos e a uma velocidade conhecida. Para isso as tropas “X” interpunham entre si e a suposta posição das peças do inimigo “Y”, uma barreira de microfones especiais distanciados entre si centenas de metros. A análise matemática posterior de diversos parâmetros adquiridos durante o registo do disparo (ver esquema), dava a “X” posição da artilharia inimiga “Y”.

Esquema dos cálculos a serem efectuados

Esquema dos cálculos a serem efectuados

De maneira bastante simplista podemos explicar que o disparo do “inimigo”, ao criar uma onda de som circular (de baixa frequência), é primeiramente registado pelo microfone que estiver mais perto da fonte, esse mesmo som ao progredir “bate” sucessivamente nos dois microfones seguintes e será também registado. Como entre o recebimento vindo do primeiro microfone e o recebimento vindo de pelo menos mais dois outros havia duas ou mais diferenças de tempo, o conhecimento desses pequeníssimos lapsos permitia após equações complexas determinar um círculo que corresponderia às ondas se som e o seu respetivo centro. Esse centro determinava a origem do som, e portanto a posição da peça inimiga. O inverso também era possível, ou seja; determinar com precisão o local onde estava a cair o “nosso” fogo, através do registo das deflagrações.

Nem tudo eram rosas, o sistema era complexo, moroso de instalar, e passível de influências meteorológicas e outras, além disto era necessário um outro posto mais avançado, entre a barreira dos tais microfones e a bateria inimiga. O militar que guarnecesse este posto, apesar de também desconhecer a real posição da artilharia inimiga, desencadearia (via rádio) o processo de registo, ao ouvir o som de um primeiro disparo, ou ao ver o clarão provocado á boca da arma.

Pelas razões apresentadas, em teoria, era bom mas na prática dificilmente funcionava. Portugal vem a receber da Comunidade Britânica conjuntos SR/HQ que apenas foram utilizados em manobras e com pouca eficiência. Julgamos até que os aparelhos tenham chegado cá sem os calculadores necessários a obter as posições de tiro, sendo os aparelhos usados posteriormente como simples recetores/transmissores. É sobre eles que vos falamos hoje.

SR HQ

SR HQ

Os S.R. MKII-H.Q. (1) e os S.R. MKII – O.S. (2) são sistemas radio pertencentes á família “Wireless Set”. Desenvolvidos e usados durante a 2ª Guerra Mundial, chegam ao nosso país no final de quarenta, havendo na pouca referência sobre eles, a indicação da sua distribuição á Arma de Artilharia. Presentemente caíram no mais profundo esquecimento, mesmo a antigos militares a nomenclatura SR-HQ e SR-OS nada lhes diz.

SR OS

SR OS

Um conjunto completo compreenderia uma estação S.R. – H.Q. como posto de comando, ou posto registador e calculador das informações sonoras recebidas, três a cinco S.R. – O.S. como detetores dos sons, fazendo a tal barreira com os microfones e mais uma a três S.R. – O.S. no papel de posto mais avançado (dando a ordem para iniciar o registo dos sons). Quantos mais postos equipados com microfones houvessem no terreno mais precisão se obtinha nos cálculos de determinação de rumo e distância. Como estes aparelhos eram também “normais” recetores/transmissores, era através deles que passava o tráfego de mensagens entre o posto de comando, os postos captores de som e o posto avançado.

Os dois rádios eram diferentes fisicamente sendo o H.Q. um posto com características de “fixo” e o O.S. um posto adaptado ao transporte ao dorso, tendo para isso adotado a caixa exterior do “Wireless Set 62”. Além de uma gama de frequências comum compreendida entre os 9 e os 10.5mHz, possuíam ainda cinco canais (cada canal tinha um ajuste de mais/menos 20kHz) para a receção das informações enviadas pelos microfones, peças que á primeira vista mais pareciam umas grandes marmitas do que verdadeiros micros, necessitando que fossem colocados no solo em buracos superficiais para não sofrerem influencias parasitas. Os dois rádios tinham conversores rotativos alimentados a baterias de 6v.

(Retirado de um artigo anterior, de nossa autoria, publicado na revista QSP)

João Freitas

Notas:

(1) – S.R. MKII – H.Q. Station (Sound Ranging Mark II HeadQuarters Station) Posto de Comando, Modelo 2, para referenciação pelo som.

(2) – S.R. MKII – O.S. (Sound Ranging Mark IIOut Station) Posto Exterior, Modelo 2 para referenciação pelo som.

(3) Enquanto os EUA sempre preferiram determinar os diversos modelos de um dado aparelho militar por uma letra (ex. BC-611-C e BC-611-F), acrescentando ou não a palavra “MODEL” ou “TYPE”, a Comunidade Britânica deu primazia ao termo “MARK”, ou á sua abreviação “Mk.” seguido por uma sucessiva numeração romana (ex. Wireless Set Nº19 Mark I, seguido pelo Mark II, Mark III etc.).

Anúncios

Um comentário a “Os “S.R. MKII – H.Q. STATION” e os “S.R. MKII – O.S.”

  1. O Sr. João Freitas teve uma atuação particularmente brilhante no Blogue, na sua fase inicial, entre Fevereiro e Julho de 2012. Durante estes 5 meses publicaram-se 12 posts da sua autoria (quantitativo que até agora só 3 conseguiram superar), todos de inegável qualidade e interesse. Depois, pura e simplesmente desapareceu, não tendo havido até ao presente post, qualquer intervenção sua.

    O porquê desta longa ausência intrigou-me. O que teria acontecido? Era estranho porque nos seus textos era mais que evidente a consistência dos seus conhecimentos, o gosto que tinha pelo estudo dos equipamentos, pela sua reconstrução e também pela sua divulgação.

    O mistério foi desvendado nas comemorações do 4º aniversário do Museu Militar de Elvas, onde tive o enorme prazer de o encontrar. Explicou-me que o problema resultava de ter errado o endereço do contato com o Administrador do Blogue. Corrigido imediatamente o erro, passámos, a partir de agora, a ter a sua colaboração inaugurada com o presente texto sobre material de deteção da Artilharia Inimiga pelo som.

    Felicitando-o pelo seu promissor regresso espero voltarmos a ter o prazer de o continuar a ler, no futuro, em prosseguimento da importante obra que todos lhe reconhecem.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s