Novo documento


No menú  História das Tm/Documentos  pode agora ser consultado o documento CTm/BMI – 15 Anos de actividade, datado de Março de 1992, com a história-sintese da Comp de Tm da BMI desde a sua criação até essa data. Doc recebido do MGen José António Henriques Dinis.

Anúncios

Um comentário a “Novo documento

  1. Esta iniciativa do MGen Hemriques Dinis vem preencher uma lacuna neste Blogue visto que, até aqui, a Companhia de Transmissões da Brigada ainda não foi contemplada com nenhum post. Ainda na ultima reunião tinha chamado a atenção da CHT para a necessidade de referir a Companhia no Blogue, dada a sua importãncia como unidade de Tm de Campanha, herdeira histórica do “glorioso” BTm3 e para mais tendo na Comissão dois oficiais ex-comandantes desta Companhia, como aliás consta da galeria dos Comandantes apresentada no documento do MGen Dinis.

    Para além de salientar a oportunidade do documento e a sua qualidade permito-me acrescentar as seguintes achegas em relação a esta importante unidade da nossa Arma:

    • A primeira recordação que tenho da Companhia está ligada ao problema da alimentação, quando a unidade era comandada pelo major Pinto de Castro e eu estava, a meu pedido, a desempenhar as funções de chefe da Repartição de Pessoal da DAT. Não vou contar a história em pormenor pois deixo isso para o MGen Pinto de Castro, que o fará melhor do que eu. O problema é que a unidade, naquela altura, era uma espécie de Companhia-gourmet, onde toda a gente sabia que se comia bem. Como se sabe na tropa o exemplo vem de cima e o general Comandante da Brigada (o meu amigo Silva e Castro) estava, sempre que podia lá caído para almoçar, o que era uma propaganda eficaz e um atestado inquestionável da excelência culinária da unidade. O responsável pelas estrelas Michelin dadas, em peso, pela Bigada era o sargento-ajudante Alves. Acontecia que havia normas que obrigavam a fazer rotações do pessoal. O Alves já devia ter sido rodado há muito tempo. E não foi. Tanto quanto me lembro a razão que o Pinto de Castro defendeu (para além do bem estar da Companhia) era também o prestígio alcançado pela Arma no campo da gastronomia…
    Acabei por concordar em manter a situação enquanto não surgissem reclamações que obrigassem a deslocar o Alves, o que comigo acabou por não acontecer. Eu no fim de contas na Repartição de Pessoal o que defendia era que o grande segredo da gestão da Arma era aplicar o princípio do “right man in the right place”, como era o caso.

    • Mais tarde, era eu Diretor Interino da Arma e comandava a Companhia o saudoso TGen Rodrigues (falecido), então major. Fiz questão de visitar a Companhia como Diretor, o que nunca tinha sucedido, julgo que pelo fato de a Companhia pertencer à Brigada.. Claro não se pode ir visitar a Companhia sem a concordância do comandante da Brigada (o MGen Carreto Curto) que apoiou francamente a ideia. A visita correu muito bem e foi notória a satisfação da Companhia pelo fato de ser visitada pelo Diretor da Arma pela primeira vez.

    • Recordo ainda que, no tempo em que comandava a Companhia o major Moreira a unidade nos testes de prontidão teve altas classificações que a distinguiram no âmbito da Brigada.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s