O BTm 4 na ONUMOZ


Na segunda metade do Século XX as NU passaram a ter uma postura de intervenção activa, tendo em vista a imposição da Paz em zonas de Crise onde fosse necessário evitar ou impedir a ocorrência de um desastre de natureza Humanitária. Para isso Organizou Operações, umas vezes civis, outras Militares, que eram constituídas por Forças atribuídas pelos Países membro.

Portugal foi convidado em Janeiro de 1993 a participar pela primeira vez numa operação das NU, em Moçambique com uma Unidade técnica, de Engenharia ou de Transmissões, numa Operação designada por ONUMOZ.

Dos estudos preparados pelo EME, foi seleccionada uma Unidade de Transmissões do tipo Batalhão com a missão de instalar e manter um Sistema de Comunicações que garantisse o Comando e Controlo das Forças das NU, para a Operação da ONUMOZ, distribuídas pelas Zonas Militares de Nampula, Beira e Maputo de acordo com o dispositivo exposto na figura junta.

 

O estudo para a concepção e dimensionamento da Unidade apropriada foi atribuído à DAT e ao DGMT cujo director, TCor Pinto de Castro, foi nomeado comandante da mesma.

 

 

 

 

No estudo da missão concluiu-se que, devido às grandes distâncias, seria necessário criar duas redes de HF, uma de voz que ligasse os QG do Maputo, Beira e Nampula, e outra telegráfica que ligasse os Postos nos aquartelamentos das Unidades de Transmissões, na Matola, Dondo e Aeroporto de Nampula, que apoiavam os referidos QG’s, a fim de garantir uma diversidade de espaço suficiente. Conceberam-se ainda a um nível mais a baixo, redes de HF para ligarem os Comandos das referidas Zonas Militares às respectivas Unidades subordinadas Operacionais e de Apoio.

 

Planearam-se também redes telefónicas locais para os QG’s, assentes em Centrais Telefónicas Digitais, em linhas filares WD1-TT e Link’s de Feixes Hertzianos. Para ligações a pequena distância usaram-se redes em VHF apoiadas em repetidores de área. Pela primeira vez foi prevista uma rede de satélite suportada pelo sistema INMARSAT constituída por 8 terminais do tipo A.

Além da missão restabelecida relativa às Comunicações foram ainda considerados uma série de requisitos definidos pelas NU designadamente, a capacidade da Unidade se auto-sustentar durante 60 dias, em manutenção, reabastecimento e pessoal. Para isso, concebeu-se uma Unidade do tipo Batalhão com um efectivo de 280 homens (14 Oficiais, 90 Sargentos, 36 Cabos Adjuntos e 140 Praças) distribuídos por:

Matola  – 1 Companhia Operacioanal e 1 Companhia de Comando e Serviços na Cabeça do Batalhão;
Beira   – 1 Companhia Operacional
Nampula – 1 Companhia Operacional.

A Companhia da Matola destacou equipas RATT para o Batalhão de Inhambane de tropas do Uruguai e para o Batalhão de Cockué de tropas Zambianas.

A Companhia da Beira que apoiava uma Brigada Italiana, destacou equipas RATT para o Batalhão de Chimoio e para o Batalhão de Tete.

A Companhia de Nampula apoiava uma Brigada do Bangladesh com efectivos em Cuamba.

É de salientar que a concepção e constituição do BTm4 foi muito facilitada por se estar no fim de produção de vários equipamentos concebidos e fabricados em Portugal, o que possibilitou a disponibilização imediata de equipamentos sofisticados e a selecção de pessoal profundamente conhecedor dos mesmos, visto terem estado no acompanhamento do seu desenvolvimento e fabrico.

Para esta missão da ONU, pode dizer-se que, quase a totalidade do material de que foi dotado o BTm4, era de fabrico nacional. Os equipamentos para o multicanal, FM-200 e DX 15/60,  não eram de “Know How” nacional, mas foram fabricados sob licença na SISTEL.

Desses equipamentos, pode referir-se:

– Cabines T-102 Central Telefónica Digital:      Qt. 6
– Central Telefónica Tágide:                                 Qt. 4
– Cabo WD-1/TT (Km)                                           Qt. 50
– Telefones  de Campanha P/BLC-101:              Qt. 180;
– Cabine RATT T-103:                                           Qt. 7
– E/R HF P/FRC-330:                                           Qt. 16
– Teleimpressor T-1000 Z/B                                Qt. 16

– Meios VHF:
– E/R VHF P/VRC-482:                                       Qt. 20
– E/R VHF P/PRC-501:                                        Qt. 52

– Cabinas de Transmissões T-200:                    Qt. 3
– Terminais INMARSAT – Tipo A:                    Qt 8
– Mastros telescópicos,
– Outros.

Além destes equipamentos fabricados em Portugal, tiveram que se adquirir alguns materiais de HF, designadamente, antenas portáteis IAGY, antenas Logarítmicas para o Rear Link e 8 Terminais Satélite INMARSAT do Tipo A

Pela primeira vez, foram também instaladas antenas parabólicas que permitiram receber as emissões de TV por satélite.

Depois de um ano, em 1994, tendo em vista a realização das eleições, por imposição das NU, o BTm4 teve uma alteração de missão o que levou fazer um reajuste do seu dimensionamento e dispositivo, a fim de se adaptar a uma nova fase de implantação da Força. Assim, foram retiradas as Companhias da Beira e Nampula e os meios que suportavam as diversas comunicações regionais, mantendo-se somente equipas para explorarem as Centrais telefónicas do QG e a espinha dorsal de comunicações da Força. As NU estavam interessadas em manter as equipas de CIVPOL (Polícia Civil da ONU) e das equipas das eleições espalhadas por Moçambique. O BTm4 ficou de dar apoio na instalação e exploração técnica a essas equipas.

É de referir que o BTm-4 teve integrado na sua área de aquartelamento uma Unidade japonesa, constituída por 37 militares, que tinham a missão do controlo de movimentos e que se instalou ali, junto ao BTm4, por razões de segurança e de aproveitamento e partilha da infra-estrutura de sustentação.

Durante esse período a Unidade japonesa e o BTm-4 foram visitados por diversas entidades japonesas da mais alta hierarquia, tendo-se desenvolvido um relacionamento extraordinariamente rico que levou a que fosse referido por várias vezes do interesse em se estabelecer uma troca de Adidos Militares entre Portugal e o Japão.

O BTm-4 festejou os dias simbólicos de Portugal com especial relevo para o Dia 10 de Junho que teve pela primeira vez, após 19 anos, o hastear da bandeira portuguesa, o que causou grande emoção à comunidade portuguesa em Moçambique

Esta missão ficou marcada por divergências com os órgão das NU sobre o emprego dos meios, pois, enquanto a sede das NU tinha definido umas “guide lines” onde se estabelecia uma missão para o Batalhão com utilização do próprio material, o que levou a dimensionar uma Unidade aprovada pelas próprias NU, no Teatro de Operações, os elementos civis das NU, queriam obrigar a Unidade a utilizar equipamento adquirido no local pelos seus serviços, o que, inclusive, originava problemas com a formação do pessoal operador, desconhecedor do mesmo. Apesar do Comandante da Força, General Lélio da Silva ter decidido que o BTm-4 utilizaria o seu próprio material, continuou a haver uma divergência permanente com os elementos civis de comunicações da ONU ali destacados apoiados pela sua chefia Administrativa.

Esta interferência de poderes entre o Comando da Força e a Chefia Administrativa da ONU, com o consequente mal estar que isso ocasionava, foi-se acentuando ao longo da Operação da ONUMOZ em diversas áreas de Apoio Logístico, como os Transporte, os Hospitais de Campanha, Reabastecimento, Engenharia, etc. Esta acção dos Serviços Administrativos da ONU foi uma repetição do que se passou noutros Teatros de Operações onde interveio.

Anúncios

Um comentário a “O BTm 4 na ONUMOZ

  1. Em primeiro lugar quero expressar a minha satisfação por ver o Pinto de Castro participar neste Blogue, Para mais referindo-se ao BTm4, de que foi um dos grandes protagonistas.

    Trata-se de uma ação notável e pioneira da Arma de Transmissões, visto que o BTm4 foi a primeira unidade portuguesa dos três ramos das Forças Armadas a actuar no âmbito da ONU, abrindo caminho para a política externa de participação militar que desde então se tem seguido.

    De realçar o excelente relacionamento que teve com a unidade japonesa vizinha mas sobretudo com Moçamboique e com a comunidade portuguesa

    De referir que o BTm4 foi quase totalmente equipado com material de transmissões de fabrico nacional e que foi o enorme sucesso que a experiência do BTm4 teve em Moçambique que o mesmo viesse suceder em Angola com a CTm5.

    Espero não só que a ação desenvolvida pelo BTm4 dê lugar a mais comentários neste Blogue mas também que surja um post relativo à CTm5 pois bem o merecem.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s